MBL

Política

O  perigoso morde-assopra do clã Bolsonaro


1 Comentário

Foto: Fábio Pozzebom/Agência Brasil-EBC

Numa interessante análise publicada há poucos dias no Poder 360, Leonardo Cavalcanti  avalia a possibilidade de o clã Bolsonaro se valer do que o professor de Antropologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Piero Leirner, chama de “estratégia militar dissonante”. De acordo com Leirner, trata-se da replicação de uma tática de guerra, na qual informações desencontradas são repassadas de modo a criar uma estratégia de confusão, que desorienta o inimigo.

Passa-se uma ideia de descontrole. De que não há unidade de pensamento. Uma coisa é dita. Outra é contradita. Desautorizada. Daí, recua-se do que foi dito. Até a criação da próxima controvérsia. Na estratégia, segundo avalia Leirner, o presidente Jair Bolsonaro acaba aparecendo como o elemento moderador. A tática gera mobilização dentro do governo e entre a militância mais próxima do presidente. E mantém acesa a polarização com a esquerda, o interminável FlaXFlu que tem sido o nosso pesadelo.

O morde-assopra ficou claro em dois momentos recentes. Primeiro, no vídeo do Rei Leão e das hienas. No vídeo, Bolsonaro aparece como o leão e as hienas são todas as demais instituições republicanas brasileiras: Judiciário, Legislativo, imprensa… Tratava-se de uma clara demonstração de guerra. De ruptura institucional. O que Bolsonaro pretendia com aquilo? Então, diante da repercussão negativa, ele declara que o vídeo foi um erro, retira o vídeo do ar e pede desculpas.

Então, alguns dias depois, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-RJ) critica a radicalização dos movimentos de protesto no Chile e diz que o governo deve se preparar para reagir caso algo semelhante se esboce ocorrer por aqui. Diz que o governo precisa ter instrumentos para essa reação. E fala numa possível volta do AI-5, um instrumento da ditadura que dava poderes fora da Constituição ao governo para fechar o Congresso, cassar pessoas, censurar a imprensa. Diante do evidente repúdio geral a tal absurdo, Bolsonaro desautoriza Eduardo. Que pede desculpas e recua.

Não tivesse sido, porém, por um modo patético, eis que depois o próprio Eduardo Bolsonaro volta ao tema novamente não para explicar, mas para confundir. Diz em outro vídeo que o que ele tinha querido dizer não era uma pregação da volta do AI-5, mas a necessidade de o governo ter instrumentos para agir de forma “energética” em caso de radicalização. O vídeo, felizmente, repercutiu pelo ridículo do uso errado do termo “energético”. O que pretendia Eduardo era transformar os protestos numa rave e distribuir Red Bull pra moçada?

Ou, levando a fala a sério: o que são instrumentos “energéticos”? Porque, se de fato houvesse uma radicalização de protestos fora dos preceitos da lei, que extrapolassem o direito de manifestação, a Constituição e as leis brasileiras possuem instrumentos enérgicos – este é o termo correto –  para coibir. Se os “energéticos” estão fora do limite legal e constitucional e denotam autorização para ações autoritárias, a democracia brasileira deve rechaçá-los.

Se há algo de pensado nesse morde-assopra, se é a adoção de uma tática diversionista de inspiração militar, é preciso dizer que tudo isso sai completamente dos manuais conhecidos de administração de um governo. Se der certo, vai obrigar uma profunda revisão de conceitos.

É interessante para quem disputa uma eleição – sobretudo se não está no governo – criar em torno do pleito um ambiente de confusão e desorientação. Especialmente se for capaz de fazer com que o caminho da solução ao final passe por ele. Nesse sentido, a tática de Bolsonaro para manter a polarização acesa durante o pleito do ano passado foi um sucesso absoluto. Mas governos precisam de tranquilidade. Precisam de um mínimo de estabilidade para ver avançarem seus projetos.

A essa altura, Bolsonaro briga com seu partido, briga com outros partidos conservadores do Congresso, não consegue formar uma base, joga suas fichas na formação de um novo partido quando ele precisa de votos agora, não no futuro. Briga com o Judiciário. Briga com a imprensa. Briga com os setores mais organizados da sociedade civil de perfil mais conservador, como o Movimento Brasil Livre (MBL). Qual a garantia de tranquilidade mínima que isso lhe traz para a aprovação dos seus projetos?

Se há por trás de tudo isso uma intenção não democrática, golpista, como se preocupam alguns, de que forma Bolsonaro encontrará respaldo para tal aventura se dispensa as instituições? Em 1964, militares não tomaram o poder sozinhos. Precisaram – e tiveram – o apoio de instituições como boa parte do Legislativo, do Judiciário, da imprensa, da sociedade civil.

Há, por último, uma outra avaliação que devem fazer os que defendem soluções mais conservadoras, de direita, para o país. Ao vencer as eleições, Bolsonaro deu a esse gupo mais conservador a chance de propor seu modelo pela via democrática. Alternância de poder, como se espera que ocorra em qualquer democracia madura. Dez meses depois da posse, o esboço de qualquer sugestão autoritária e não democrática seria a admissão de que, no Brasil, tal grupo conservador não consegue manter seu modelo pela via institucional. Seria uma admissão de fracasso, do ponto de vista democrático.

De 1954 a 1960, o grupo conservador viu esbarrar as suas chances na moderação que era feita pelo PSD. O partido, como bem explicou Lucia Hippolito no seu “PSD: de Raposas e Reformistas”, evitava os extremismos. A lógica se rompeu com Jânio Quadros. E não deu certo, pela via democrática, após a sua renúncia. O golpe jogou às favas a tentativa de sucesso pelo caminho democrático. A direita brasileira pagou seu preço. Afastou-se do debate até conseguir emergir de novo com a construção da eleição de Bolsonaro. Já vai admitir de novo a impossibilidade de sucesso de suas ideias pelo debate democrático? Vai de novo fazer descer goela abaixo por vias autoritárias? É o que propõe o clã Bolsonaro antes de pedir desculpas? Ou tudo não passa de um mal entendido? Ainda  que seja um planejado e estratégico mal entendido…

Política

Os riscos da guerra total


Nenhum Comentário

Reprodução/Vídeo

O vídeo estilo Rei Leão que o presidente Jair Bolsonaro nos impingiu durante um tempo e do qual depois se arrependeu é um veemente sincericídio. O presidente, com a ajuda dos seus assessores, aqueles a quem, em entrevista ao site Congresso em Foco, o ex-ministro Gustavo Bebianno chama com todas as letras de “loucos”, se coloca ali contra tudo e contra todos. Não adianta a essa altura ter se arrependido depois. Até porque, antes do seu arrependimento, seu assessor Filipe Martins já havia ratificado seu conteúdo. Ficou claro que aquilo é o que de fato pensa Bolsonaro e aqueles que o assessoram.

O vídeo demonstra que Bolsonaro hoje se sente atacado por todas as instituições brasileiras. Contra ele está o Judiciário, representado pelo Supremo Tribunal Federal. Está o Legislativo, a partir de diversos partidos – até o mesmo o seu próprio, o PSL. Está a imprensa, a partir dos seus principais veículos. Está a sociedade civil organizada, em grupamentos como o Movimento Brasil Livre (MBL) ou organizações classistas como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Bolsonaro só tem a seu favor um tal difuso “brasileiro patriota”.

Não sei se os “loucos”, como chama Bebianno, se inserem ou não nessa onda, mas já se estuda o surgimento pelo mundo de um certo anarquismo de direita. A tal nova onda, ao explicitar individualismos, coloca contra si todas as organizações da sociedade. E é daí que muitos passam a acreditar em tenebrosas conspirações, como a que envolveria toda a comunidade científica em torno de negar que a terra é plana, por exemplo. Enfim, um mundo delirante. Que fica perigoso se alguém com tais ideias chega ao poder. Espera-se que não seja o nosso caso…

O fato, porém, é que o vídeo Rei Leão de Bolsonaro é a mais explícita afirmação da existência dessa disposição contra a ordem institucional. De um sentimento, por parte de Bolsonaro e do grupo que o cerca, de isolamento e de perseguição. Que Bebianno, na entrevista, enxerga que possa desaguar mesmo futuramente em alguma tentativa de golpe.

Mas é justamente nesse ponto que qualquer arroubo golpista agora de Bolsonaro será completamente diferente da construção que se deu no golpe militar de 1964, que ele tanto venera e elogia. Em 1964, as instituições se uniram para depor João Goulart. Os militares tiveram o apoio da imprensa, do Congresso, de parte do Judiciário, de parte da sociedade civil organizada, para tomarem o poder. Se oposição dessas instituições houve, foi depois, diante da constatação de que a devolução prometida do poder não se daria e que a ditadura se consolidaria, como se consolidou, por vinte anos.

Se há por parte de Bolsonaro e de seus “loucos” – de novo, usando o termo de Bebianno – alguma estratégia, ela parece partir para uma opção de guerra total. Olavo de Carvalho e seus discípulos parecem ter percebido que a alternativa conservadora tomada não apenas aqui mas em diversos países da América do Sul por alguma razão se esfarinha. A Argentina optou por voltar para o peronismo. A Bolívia elegeu Evo Morales em primeiro turno – é preciso se verificar se com fraude ou não. O Equador protesta. O Chile nem se fala.

Seria, assim, necessária, na cabeça deles,  alguma reação. O problema é estabelecer uma reação contra tudo. Que elege todas as instituições como inimigas. Mesmo junto ao comando militar, Bolsonaro comprou diversas brigas. Reduziu o tamanho da participação de praticamente todos os seus generais. Mantém mudo o seu porta-voz, general Rego Barros. Difícil saber se contaria com a instituição Forças Armadas caso embarcasse em tal aventura. Fica, assim, com ele somente o tal “brasileiro patriota”.

E contra, as instituições. E esse é o risco da guerra total. Qual o tamanho do apoio de que dispõe Bolsonaro na sociedade? O que ele quer quando declara guerra ao Supremo? Aos demais governadores, como Wilson Witzel, do Rio? E, citando novamente Witzel e João Dória, de São Paulo, às demais forças do campo conservador? Ao seu próprio partido e aos demais? Aos movimentos sociais, incluindo aqueles que o elegeram, como o MBL? Ao final dessa guerra, sobrará o quê de pé?

O tamanho da briga comprada fica claro no desenrolar dos últimos acontecimentos. Bolsonaro foi citado pelo porteiro do seu prédio na investigação do assassinato de Marielle. Isso é fato. E, sabido, precisa ser noticiado. Mas Bolsonaro só aumentou o fogo da sua artilharia contra a TV Globo. E contra Witzel, que acusa de ter orientado tal menção aos investigadores. Aos investigadores, que teriam incitado o humilde porteiro. Menção que levará o caso ao Supremo, que ele retratou como hiena no tal vídeo.

O risco de declarar guerra contra todo mundo é se todo mundo aceitar a declaração de guerra…

Política

A oposição não foi aos atos do governo


Nenhum Comentário

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil-EBC

Um dado curioso das manifestações de apoio ao governo Jair Bolsonaro no domingo foi a quase total ausência da oposição nos atos. Claro, ninguém está falando da presença física de opositores do governo nas ruas. Estamos falando dos alvos das manifestações. Com exceção de um pixuleco – o boneco do Lula presidiário – aqui ou ali, a turma gritou mesmo foi contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o Centrão, o Supremo Tribunal Federal (STF) e a “mídia”.

Eis aí um ponto inusitado que une as hostes de Bolsonaro das do PT e de Lula. Eles podem pensar diferente em praticamente tudo, mas seus principais inimigos vão se tornando exatamente os mesmos.

Foi o Centrão de Rodrigo Maia, então sob o comando do ex-presidente da Câmara e agora presidiário Eduardo Cunha (MDB-RJ) que conduziu o processo de impeachment de Dilma Rousseff. Foi o Centrão de Maia e Cunha que tratou de inviabilizar completamente o segundo mandato de Dilma tornando o país ingovernável e criando as condições políticas para o seu afastamento. Foi o Supremo Tribunal Federal que conduziu primeiro o processo do Mensalão e depois os julgamentos provenientes da Lava Jato, esfarinhando o PT e condenando a sua cúpula à cadeia. O Supremo é instância máxima do Judiciário, que colocou e mantém na cadeia o ex-presidente Lula. E foi a “mídia”, a tal “mídia golpista” que distorceu fatos, criou versões com o propósito de desgastar o PT e tirar o partido do poder.

É o Centrão de Rodrigo Maia que agora cria dificuldades para que sejam aprovados os projetos de Jair Bolsonaro. É o Centrão de Rodrigo Maia que trata de inviabilizar o governo para achacá-lo, pressioná-lo e garantir a manutenção dos expedientes da “velha política”. O Supremo Tribunal Federal agora quer livrar da cadeia criminosos da Lava Jato. Mas ao mesmo tempo incentiva investigações contra o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) com o propósito de constranger e desgastar o governo de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro. E a mídia – que parece, então, ser sempre golpista não importa quem seja o presidente – distorce fatos e inventa versões com o propósito de criar embaraços para o atual governo.

Ainda que a motivação para os atos de domingo tenha sido promover uma reação às manifestações de 15 de maio, quando a oposição levou gente às ruas para protestar contra os cortes na educação, é impressionante essa coincidência de inimigos. No domingo, somaram-se ao Centrão, ao STF e à mídia nos protestos importantes aliados de um passado recente que contribuíram para derrubar o PT e permitir a ascensão de Bolsonaro. O Movimento Brasil Livre (MBL) era o mais visível deles.

Nós já dizíamos aqui antes que as manifestações de apoio ao governo seriam expressivas. Bolsonaro conta com um grupo organizado e aguerrido, com forte capacidade de mobilização. Representa, porém, os 15% originais que deram a musculatura inicial para a sua candidatura. Sem a presença do MBL e outros grupos mais moderados, não estavam presentes de forma maciça as forças que aderiram depois a Bolsonaro quando perceberam nele a chance maior de tirar o PT do poder.

Boa parte desses grupos está no Centrão e em outras forças que o discurso dos bolsonaristas mais radicais afasta. Fica claro que Bolsonaro quer usar a opinião pública como instrumento de pressão sobre o Congresso para não sucumbir às ferramentas do velho toma-lá-dá-cá. Em princípio, essa poderia ser uma estratégia saudável. É uma constatação de muitos – não somente na direita – que foram os expedientes fisiológicos do nosso presidencialismo de coalizão que levaram o Brasil à crise que vive.

O problema é que as pesquisas mostram que Bolsonaro hoje não tem o apoio da maioria. E se ele ajuda com seus atos e discursos a prioritariamente afastar parte daqueles que nas eleições estiveram com ele, vai-se apoiando mais e mais numa minoria. Como dissemos antes,o risco que havia era, com as manifestações, a criação de um aval enganoso que corroborasse a radicalização ainda maior do discurso do governo.

Como as manifestações foram expressivas mas não tão grandes como o próprio governo esperava, esse risco talvez esteja agora afastado. O prudente seria tanto o governo como seus novos inimigos, especialmente o Centrão e o Congresso, avaliarem os atos de domingo exatamente pelo seu valor de face. Expressivos para mostrar que há uma parcela forte da população que rechaça qualquer tipo de esforço conjunto da elite política para parar as investigações sobre corrupção e que cansou das velhas práticas do fisiologismo. Mas não forte o suficiente para que o governo imagine que pode tudo e que vai atropelar Congresso e outras instituições para fazer valer o que deseja, sem negociação e sem diálogo.

Política

O capitão em seu labirinto


Nenhum Comentário

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil-EBC

A semana tem ares de decisiva para o governo do capitão presidente Jair Bolsonaro, por conta das manifestações de apoio que ele convocou para domingo. Mas é bom alertar que os impactos do que vier a acontecer no início da próxima semana poderão ser um pouco enganosos.

Depois da série de tsunamis da semana passada, Bolsonaro quer testar a sua popularidade. O texto que ele postou em que um economista dizia ser o Brasil ingovernável caso o governante não aceite sucumbir aos conchavos e barganhas que a classe política impõe parecia ter um tom meio de carta de renúncia à Jânio Quadros. A evocação de “forças terríveis” ou “ocultas” estava toda lá. Mas era, na verdade, mais um ataque à tal “velha política”.

Era de novo Bolsonaro falando aos seus que foi eleito para fazer um governo diferente. No fim da semana, o presidente tratou de turbinar ainda mais essa história, cometendo o exagero de se dizer alguém com uma missão divina. Publicou um vídeo de um pastor africano dizendo que ele é um “escolhido de Deus”. O governo tem quase seis meses e o presidente segue nas redes sociais construindo a ideia do “mito” da campanha.

O que se verifica como reação nas redes sociais é que os movimentos de Bolsonaro pareceram solidificar ainda mais a sua base de apoio original. E afastaram um pouco mais os grupos moderados que optaram pelo capitão nas eleições do ano passado quando enxergaram que ele era a escolha mais clara para derrotar um novo mandato do PT, que não queriam. Ou seja: Bolsonaro outra vez resolveu falar somente para os seus. Deu nova demonstração de que é com seu grupo original que ele se sente compromissado.

Estima-se que o grupo original mais radical que deu a musculatura inicial para a candidatura de Bolsonaro gire em torno de 15% da população. É a turma aguerrida que ganhou da sua oposição o apelido de bolsomínions. É essa turma que poderá ir às ruas no domingo caso a convocação feita por Bolsonaro der certo.

É aí que os números podem ser enganosos. Se Bolsonaro tiver a capacidade de arregimentar seu grupo mais próximo, esses 15% têm ainda o potencial de fazer manifestações expressivas nas ruas. Vão passar a impressão de que é massiva a popularidade do presidente. São grupos organizados, o que torna esse cenário possível.

Ocorre que são 15%. Portanto, são minoria mesmo dentro das forças que hoje estão mais próximas ao governo, que compõem a ala conservadora da sociedade. Há, por exemplo, hoje um claro descolamento da parcela mais liberal. A maior evidência disso está nas críticas que vêm sendo feitas pelo Movimento Brasil Livre (MBL).

Assim, um sucesso das manifestações de domingo poderá levar a um quadro enganoso de apoio popular. Que pode fazer Bolsonaro radicalizar ainda mais o seu discurso. Afastando ainda mais liberais, empresários, o Centrão, etc. Mantendo a crise. O outro cenário está na possibilidade de as manifestações serem um fracasso. Aí, Bolsonaro se verá realmente em apuros…

Política

A Ágora Virtual não existe


Nenhum Comentário

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil-EBC

Para saber em quem votaria na eleição para a Presidência do Senado, o senador Jorge Kajuru (PSB-GO) resolveu fazer uma enquete nas suas redes sociais. Um dos diversos parlamentares que nunca antes tinham exercido cargo político, fruto da onda de renovação que varreu o país nas últimas eleições, Kajuru explicita o processo, mas não é o único a agir assim. A afirmação de um compromisso maior com aqueles que o elegeram e menor com os partidos políticos e os governos é uma característica comum a boa parte desses novos políticos. Pode ser uma boa novidade. Mas tem grande chance de se transformar também em um grande perigo.

De fato, políticos como Kajuru e diversos outros, como Kim Kataguiri (DEM-SP), do Movimento Brasil Livre (MBL), devem muito pouco aos seus partidos e às estruturas tradicionais da política a sua eleição. Na maioria das vezes, eles receberam quantia pequena de seus partidos, fizeram campanha bem mais barata, não estão apoiados na velha lógica de conseguir verba pública, inaugurar obras e angariar assim os votos das suas bases. Eles primeiro amealharam uma quantidade imensa de seguidores nas redes sociais, passaram a influenciar esses seguidores e ser influenciados por eles. E a partir do burburinho que fazem nas redes sociais acabaram eleitos. Assim, julgam que poderão ser mais independentes das orientações partidárias e que não precisarão fazer alinhamentos automáticos com governos em troca de favores ou conveniências. É o cerne da tal “nova política”.

Não há dúvida de que era necessária uma sacudida nos velhos métodos de fazer política que se instalaram no país depois do fim da ditadura militar e da redemocratização. Os partidos e os parlamentares estavam mais do que acostumados às práticas do velho toma lá dá cá. Diversas legendas foram criadas sem qualquer compromisso ideológico somente para praticar esse “é dando que se recebe”. Houve partido criado que se vangloriava de não ter posição ideológica nenhuma. Depois de seguidos casos de corrupção que varreram diversos políticos graúdos e empresários para a cadeia, está mais do que claro que o modelo se esgotou. É preciso, porém, alertar que sua substituição por um novo modelo no qual o parlamentar preste contas ao eleitorado pela via virtual, pelas redes sociais, pode inaugurar um caminho ainda mais distorcido e perigoso.

Quando a internet e as redes sociais surgiram, os mais otimistas comemoravam o prenúncio de uma nova era na qual iria surgir um modelo de democracia direta. Era a criação da Ágora Virtual. A Ágora era a praça na qual os cidadãos da Grécia antiga praticavam a democracia direta. Pela internet, o cidadão poderia ser consultado diretamente sobre os assuntos que lhe afetavam e orientar a decisão a ser tomada. Os representantes no Parlamento passariam a ser de fato meros representantes. Apertariam o botão de acordo com o que os cidadãos lhe dissessem pelas redes. Em útima instância, talvez até se tornassem desnecessários. A consulta poderia passar a ser feita sem intermediários. Passada, porém, a euforia inicial, o que se verifica é que o mundo virtual é completamente diferente do mundo real. E que tomar decisões no mundo real a partir das impressões que se colhe no mundo virtual pode ser o caminho mais rápido para se cometer grandes equívocos. A Ágora Virtual não existe.

Já dissemos por aqui que o exemplo mais concreto desse risco parece ter sido a decisão que a Inglaterra tomou de sair da Comunidade Europeia, o tal “Brexit”. A forma como os ingleses hoje debatem o tema parece demonstrar que a decisão foi tomada de forma emocional a partir de palavras de ordem e posicionamentos propositalmente distorcidos alimentados nas redes sociais. Tomada a decisão, veio o choque de realidade. Agora, os ingleses tentam desfazer o que fizeram, mas o retorno é bem mais difícil.

O primeiro grande problema é que os mundos virtuais não conseguem enxergar a totalidade do mundo real. Os tais algoritmos vão aproximando os que pensam de forma parecida e afastando os que pensam de forma diferente. Formam, então, as tais bolhas. Com o tempo, as pessoas começam a imaginar que o mundo inteiro pensa como suas bolhas. Muitas vezes de forma mal intencionada, outras por ingenuidade, vão-se consolidando nas bolhas impressões e pontos de vista que não se sustentam no mundo real. Pessoas são idolatradas ou demonizadas de acordo com as conveniências. Premissas falsas detonam determinadas ações ou incensam outras.

O parlamentar nas redes sociais inevitavelmente acabará fazendo parte de alguma bolha. Acabará ignorando todo tipo de pensamento que esteja fora da sua bolha. Assim, quando consultar sua bolha para tomar uma decisão no Congresso, ele vai correr grande risco de contrariar os interesses da sociedade, se a sua bolha for minoria. Vai agradar à sua bolha. Isso talvez lhe garanta seguidas reeleições. Mas radicalizará sua posição cada vez mais, distante do interesse coletivo.

O segundo problema é a imensa capacidade de manipulação e distorção desses mundos virtuais. O uso de robôs e perfis falsos nas redes para fazer prevalecer determinadas ideias, pontos de vistas e personagens hoje já não é nem mais novidade. É um processo que já se desenvolve há mais de uma década. Que já tem diversos especialistas enriquecendo. A disseminação, assim, da prática de consulta virtual pelos parlamentares tem boa chance de não vir a produzir um resultado que, como se deseja, espelhe mais a vontade da sociedade. É grande o risco de que ele somente espelhe a vontade do lobista que conseguir usar de forma mais ampla e eficiente as redes sociais para distorcê-la a seu favor. O lobista engravida as redes sociais de perfis falsos e muito ativos conforme seu interesse e ganha o debate legislativo. Elege os seus. Se perpetua.

Há dois anos, Emma Watson, a Hermione do Harry Potter, protagonizou um filme de ficcção cientítica que pode parecer uma despretensiosa sessão da tarde, mas que faz um alerta importante. Chama-se “O Círculo”, foi dirigido por James Ponsoldt, e tem também Tom Hanks no elenco. No filme, os Estados Unidos aceitam terceirizar suas eleições e tomadas de decisão a uma rede social do tipo Facebook. Como todo mundo está conectado nela, parece uma forma mais eficiente e barata de fazer democracia. Ao final, se descobre que os donos da rede recebiam vultosa grana de corporações para orientar as decisões.

A democracia representativa pode estar em crise. Ela só não pode vir a ser substituída por uma espécie de tirania virtual corporativa. Porque não há jeito de se mudar para a bolha. No mundo real, a bolha não existe.