Ditadura

Política

Saída pela direita?


1 Comentário

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil – EBC

A pesquisa divulgada no primeiro dia do ano pelo Instituto Datafolha reforça impressões perigosas, que devem fazer acender um alerta na sociedade. Mas que também servem para apontar para qual rumo político deve continuar seguindo o país neste ano de 2020 e nos próximos.

De acordo com a pesquisa, diminuiu o apoio dos brasileiros à democracia. Felizmente, a maioria de nós continua considerando que a democracia é o melhor regime de governo. Ou, pelo menos, como dizia Winston Churchill, é o pior à exceção de todos os outros. Segundo o Datafolha, 62% dos brasileiros consideram que a democracia é sempre a melhor forma de governar. Em outubro de 2018, porém, quando foi feita a mesma pergunta, o apoio à democracia foi de 69%. Um outro dado que preocupa é que aumentou nove pontos percentuais a parcela daqueles que consideram que tanto faz se o governo seja democrático ou não: de 13% para 22%. Manteve-se o índice dos que disseram considerar que uma ditadura pode ser melhor que a democracia em certas circunstâncias: 12%.

Para além das chances de retorno de uma ditadura, que o maior percentual dos entrevistados considera uma possibilidade remota, os dados do Datafolha reforçam uma constatação: o Brasil endireitou. Não no sentido de que tenha deixado de ser torto. Mas no sentido de que guinou à direita.

Infelizmente, com as seguidas interrupções que tivemos ao longo da nossa vida na nossa democracia, não conseguimos amadurecer na nossa sociedade a aptidão democrática. Adquirimos um sentimento paternalista com relação aos nossos governantes. Esperamos que eles sejam uma espécie de redentores com a capacidade de resolver todos os nossos problemas com a força das suas canetas. Como nenhum deles, por melhor que seja, jamais terá tal capacidade, nos frustramos. E essa frustração nos leva a desprezar a democracia, imaginando que mais poder dará mais tinta à caneta. Depois, nos arrependemos. E seguimos assim nossa trágica sina.

Dificilmente, conservadores de países como os Estados Unidos, Inglaterra ou França diriam que tanto faz uma democracia ou uma ditadura. Os cidadãos de direita desses países, na sua ampla maioria, vão às urnas tentar eleger seus candidatos e perdem ou ganham, sabendo que ganhar ou perder faz parte do jogo. Mas, por aqui, infelizmente, o desapreço à democracia muitas vezes mistura-se com a tendência à direita.

De qualquer modo, o Datafolha mostra que tal percepção ainda é de uma minoria. O que importa é que o jogo segue democrático. Em um momento em que parece haver uma expressiva percepção mais à direita do jogo político. E é isso o que transparece nos primeiros movimentos do xadrez eleitoral nessas primeiras horas de 2020.

Talvez nunca tenha havido tamanha profusão de candidatos de perfil mais conservador ensaiando a entrada no jogo da sucessão presidencial. A começar pelo próprio Jair Bolsonaro, o mais de direita deles. Mas é pela mesma raia, com maior ou menor inclinação, que se ensaiam os governadores de São Paulo e do Rio, João Dória e Wilson Witzell. É por aí que vai o apresentador de TV Luciano Huck. Ou o ministro da Justiça, Sérgio Moro. Mesmo o movimento de valorização do centro político, que se esboça, tem inclinação mais à direita. Nada indica inclinações antidemocráticas no presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mas, do ponto de vista econômico, ele é, sem dúvida, um conservador.

Enquanto isso, o campo da esquerda segue tendo sua alternativa concentrada em um Luiz Inácio Lula da Silva que, como em 2018, continua impedido de disputar a eleição, barrado que está pela Lei da Ficha Limpa. Parece cada vez mais improvável que ele consiga reverter as condenações contra ele. Então, candidato não será. Para onde, então, se reverterão os votos que não serão para ele? Terá Lula agora maior capacidade de transferir seus votos para outro candidato, talvez o mesmo Fernando Haddad, do que teve em 2018? Ou o provável recrudescimento da opção mais à direita do eleitorado enfraquecerá mais ainda a opção?

Além disso, outras opções de esquerda, como Ciro Gomes, do PDT, parecem pelo menos neste primeiro momento enfraquecidas. O partido de Ciro não tem nomes visíveis fortes para a disputa municipal deste ano, como forma de ir pavimentando seu caminho.

Pelo campo da direita, há ainda um último fator importante. Se Bolsonaro não for capaz de colocar em campo no pleito municipal seu novo partido, o Aliança, assanha ainda mais as pretensões dos demais nomes à direita no sentido de ocuparem esse vácuo. Ao que tudo indica, o jogo de outubro será mais intenso pelo lado direito…

Política

Em tempos radicais, os inimigos dormem ao lado


Nenhum Comentário

Antes da posse de Jair Bolsonaro, nem o vidente mais insano seria capaz de prever que o capitão reformado que passou toda a sua vida política a defender a ditadura militar viria a, depois de eleito, eleger justamente os militares de seu governo como adversários. Da mesma forma, nem o vidente louco iria projetar que seriam esses militares – com a sombra que certamente trariam da memória desses tempos de ditadura – as figuras mais sensatas e moderadas desse futuro governo.

Na terça-feira (8), Bolsonaro almoçou com a cúpula militar, e, de acordo com as informações que saíram depois do encontro, combinou-se jogar água fria na fervura para acabar com a brigalhada. Mas, nas redes sociais, militares já combinavam chamar os ataques do dublê de filósofo e astrólogo Olavo de Carvalho de “favelagem”. É óbvio que a troca de chumbo não vai parar. Mais do que isso, por mais que publicamente Jair Bolsonaro faça apelos em nome da trégua ou tente minimizar a potência dos ataques, a verdade é que a lógica de seu governo incentiva esse ambiente. Nunca é demais lembrar o que já dissemos: há método no golden shower.

Desde que a campanha de Jair Bolsonaro à Presidência ganhou musculatura, sua principal força motriz são as redes sociais. Como acontecera com Donald Trump nos Estados Unidos, Bolsonaro inaugurou no Brasil o momento em que o mundo virtual passou de fato a comandar a evolução política. E as redes sociais trouxeram para o ambiente político alguns novos aspectos que ainda não são compreendidos e precisam de maior análise. Um deles, porém, já ficou claro: o que impulsiona os movimentos nas redes sociais não é necessariamente a adesão da maioria da sociedade. Nas redes sociais, prevalecem os grupos mais aguerridos e organizados. Que não necessariamente representam a maioria, mas, sim, as parcelas mais radicais. Na disputa renhida e mal educada que se estabeleceu nos Facebooks da vida, os mais moderados – que, de fato, são a maioria – acabam saindo do debate. Boa parte nem entra na discussão. O restante para quando sobe o nível de agressão e quando a turma mais organizada entra em grupo para o ataque.

No caso de Bolsonaro, esse grupo mais radical garantiu-lhe a força inicial para se colocar como candidato competitivo. No total de brasileiros que o elegeram, essa turma representa em torno de 15%. À medida que Bolsonaro foi aparecendo para os demais como o antípoda do PT, outros grupos começaram a aderir a ele. Não por concordância com suas posições mais radicais. Mas porque enxergaram que ele é que ganhava mais força para derrotar o PT, que tais grupos já não mais queriam no comando do país. Esse grupo inicial mais radical de 15% parece bem próximo às ideias do filósofo de Richmond, Olavo de Carvalho. Aí estão os filhos 01,02 e 03 de Bolsonaro. E não estão os liberais ligados ao ministro da Economia, Paulo Guedes. Nem boa parte dos defensores da Operação Lava-Jato e do super-juiz e agora ministro da Justiça, Sérgio Moro. E, para surpresa de muitos, não está também a cúpula militar.

O que parece estar acontecendo é que, na estridência das redes sociais, os grupos que dominam o debate elegem como seus inimigos não seus opositores, mas os aliados que podem ameaçar a sua hegemonia no debate. A prudência e a moderação da cúpula militar ameaça o avanço das ideias mais radicais desses grupos. Que não enxergam o que, no caso, têm visto os militares: tais posições não têm apoio da maioria da sociedade, só têm amparo entre os radicais.

Em tempos autoritários, já se viu tal tipo de comportamento. Na União Soviética, o ditador Joseph Stálin não sossegou enquanto não prendeu e matou todos aqueles que estiveram ao lado de Lênin na revolução socialista, a começar por León Trotski. Quando radicalizou, Stálin começou a vê-los um por um como inimigos. Por aqui, o grupo mais radical jogou bombas em bancas de revista e tentou explodir o Riocentro para sabotar o processo de abertura política. O que as redes sociais parecem inaugurar é um tempo que proporciona aos radicais ferramentas para prosperar mesmo na democracia.

No fundo, isso não acontece somente no lado do governo. Durante a campanha, no lado do que virou oposição, o único movimento de sucesso foi o que desidratou as possibilidades de Ciro Gomes, no PDT, apresentar-se como alternativa de esquerda a Fernando Haddad, do PT, que entrou na disputa como desconfortável reserva de Luiz Inácio Lula da Silva, numa candidatura que obviamente, por essa natureza, iria perder a parada. Agora mesmo, boa parte do exército de esquerda nas redes sociais gasta mais tempo apontando contradições e atacando a deputado Tábata Amaral (PDT-SP) do que atacando o governo Bolsonaro, desde que ela começou a despontar.

Os tempos loucos das redes sociais dão, assim, sobrevida à polarização que marcou a campanha. E os dois lados dessa polarização seguem considerando ser mais importante manter essa radicalização acesa do que seguir à frente com o país. Por isso, elegem como inimigos os parceiros mais moderados. Seus inimigos dormem ao lado.

Política

Nunca mais!


Nenhum Comentário

Por uma dessas coincidências da vida, termino justamente hoje a leitura de “Silêncio na Cidade”, romance do meu amigo, o jornalista Roberto Seabra. Meu querido amigo Beto construiu o que os franceses chamam de “roman à clef” – numa tradução livre, “romance com chave”, formato no qual se usam personagens fictícios em substituição aos personagens reais – para retratar o caso Ana Lídia. Neste 31 de março, o golpe militar que mergulhou o país por vinte anos numa ditadura completa 55 anos. Em setembro, o assassinato de Ana Lídia completará 46 anos.

Nestes estranhos tempos, há quem sugira comemorar os 55 anos do dia que virou uma noite de vinte anos. Rememorar aquele dia e suas consequências certamente é algo muito necessário. Rememorar, lembrar, para que nunca mais se repita. Comemorar… Não há nada a comemorar…

Há dezenas de tristes histórias de torturas, assassinatos, desaparecimentos que poderiam ser lembradas para mostrar que não há nada a comemorar. Serão histórias que mostrarão a covardia de um regime que impôs força absolutamente desproporcional contra seus opositores, contra seus adversários. Serão histórias de um regime que se impôs pelo medo, pela sombra, pela violência.

Mas, em todos esses casos, se contarão histórias de violência – ainda que desproporcional – contra adversários do regime. O caso Ana Lídia mostra, porém, como a sombra da ditadura não atinge somente seus adversários. Ela cai, gelada, sobre qualquer um. Ela vitima também os inocentes. Ana Lídia era uma menina de apenas 7 anos. Seus pais, funcionários públicos. E seu bárbaro assassinato nada teve a ver com a forma como eles pensavam ou atuavam. Linda, loura, de olhos azuis, Ana Lídia parecia um anjo de igreja barroca. Nada poderia emoldurar mais que seu rosto a imagem da absoluta inocência.

Às 13h do dia 12 de setembro de 1973, Ana Lídia foi encontrada nua em um matagal próximo à Universidade de Brasília, semienterrada numa vala próxima a marcas de pneus e duas camisinhas. Seus cabelos tinham sido cortados e havia marcas de cigarro em diversas partes do seu corpo.

Em “Silêncio na Cidade”,  Beto Seabra descreve como as investigações chegaram ao irmão de Ana Lídia, Álvaro Henrique Braga. Ele e sua namorada, Gilma Varela de Albuquerque, teriam cometido a barbaridade de entregar a menina como pagamento de uma dívida de drogas junto a traficantes. Venderam a menina pra pagar uma dívida de drogas!

Um dia antes de ser encontrada morta, Ana Lídia foi levada para um sítio nas proximidades de Brasília. Foi nesse sítio que todo tipo de barbaridade foi cometida contra a menina. E é aí que ela deixa de ser somente a vítima de um crime bárbaro para se tornar uma vítima da ditadura.

O sítio pertencia ao então vice-líder da Arena, partido que apoiava a ditadura, no Senado, Eurico Rezende. Entre os suspeitos de terem assassinado Ana Lídia, estavam o filho de Eurico Rezende, Eduardo Ribeiro Rezende, e o filho do então ministro da Justiça, Alfredo Buzaid, Alfredo Buzaid Júnior, conhecido como Buzaidinho. O terceiro suspeito era o traficante  Raimundo Lacerda Duque.

Como narra Beto Seabra em seu romance, o Estado, com a força que só têm as ditaduras, trabalhou para abafar o caso e impedir que as investigações avançassem sobre o filho do senador e o filho do ministro da Justiça. No dia 20 de maio de 1974, a Polícia Federal emitiu um notificado que somente as ditaduras emitem: “De ordem superior, fica terminantemente proibida a divulgação através de meios de comunicação social escrito, falado, televisado, comentários, transcrição, referências e outras matérias sobre caso Ana Lídia”.

Até hoje, não houve um desfecho para o caso. Ninguém foi punido. Há quem ainda leve flores ao túmulo de Ana Lídia. Há quem a considere uma santa. Talvez alguns poucos se lembrem, ao passar pelo escorregador em forma de foguete que há no Parque da Cidade, que ele foi batizado com o nome de Ana Lídia.

Esses que se lembram percebem que há uma chaga viva no coração da cidade que nunca vai se fechar. Chaga que se abriu no dia em que uma menina de sete anos foi violentada até a morte por rapazes que se julgavam capazes de tudo somente porque eram filhos de altas autoridades da República em tempos sem Justiça e sem democracia. O dia também em que pelos louros cachos e pelos olhos azuis de Ana Lídia a cidade perdeu sua inocência. E percebeu que todos, sem distinção, eram vítimas da sombra que escurecia aqueles dias.

As ditaduras assombram. As ditaduras gelam. As ditaduras amedrontam. As ditaduras violentam. As ditaduras disseminam o ódio. As ditaduras impedem o diálogo. As ditaduras dividem as pessoas. As ditaduras fazem chorar e ranger os dentes. As ditaduras nada comemoram. As ditaduras não podem voltar. Nunca mais!