ditadura militar

Política

Simonal, Janaina e Freixo


Nenhum Comentário

Impressiona o amargo gosto de atualidade que há no filme Simonal, de Leonardo Domingues, em cartaz nos cinemas do país. Fabrício Boliveira interpreta Wilson Simonal, cantor que fez enorme sucesso no final da década de 1960 e início da década de 1970. Para muitos, talvez o maior cantor brasileiro de todos os tempos. Que ascendeu ao sucesso numa velocidade estonteante e conheceu o fracasso com igual velocidade, acusado de dedurar os colegas e contribuir com a repressão da ditadura militar.

A história de Simonal é uma das mais tristes da arte brasileira. Morador da favela do Morro do Pinto, no Leblon, Simonal incorporava todos os trejeitos do malandro carioca. Dono de um ego impressionante, considerou que seu talento e sua malandragem eram suficientes para navegar naqueles bicudos tempos da ditadura. Queria fazer sucesso afastado da disputa política do seu tempo. Achou que podia transitar bem com todo mundo. Ganhou dinheiro demais. Gastou dinheiro demais. Achou que estava sendo enganado por seu contador. Achou que seria uma boa ideia arranjar uns meganhas para dar uma surra nele. Achou que não teria nada demais se esses meganhas fossem ligados à repressão. Não contava que o contador fosse denunciar a surra à imprensa. Tolo, ingênuo, o típico malandro otário, arrotou contatos com a repressão que na verdade não tinha. Enrolado, foi abandonado tanto pela ditadura como pela classe artística.

O filme conta a história de Simonal sem fazer concessões à sua fraqueza de caráter e aos erros que ele cometeu. Mas mostrando como é possível se destruir a reputação de alguém adicionando falsidades a um fio de história. Logo, Simonal era apontado como dedo-duro, quando, na verdade, nunca entregou ninguém. Até porque, de fato, não tinha contato nenhum com ninguém da repressão. Diziam nas ruas que ele é quem tinha entregue Caetano Veloso e Gilberto Gil. Caetano e Gil foram presos porque suas atitudes tropicalistas incomodavam o regime. No mesmo dia, deveriam ter preso também Geraldo Vandré, mas ele conseguiu escapar. Anos depois, Caetano dirá em entrevista que Simonal nada teve a ver com a história.

Como mostra o filme, a ditadura largou Simonal à própria sorte, deixando vazar informações capazes de construir as fake news da época e destruir sua reputação. Simonal era também um incômodo aos padrões da época. O negro bem sucedido, milionário, com três Mercedes na garagem, casado com uma linda loura branca. Fazendo tributos a Martin Luther King. Destruindo o mito da igualdade racial que a ditadura queria preservar. Tempos de ditadura são tempos absolutos. Ou se é a favor ou se é contra. Ou se está do lado ou não se está. É, como dizia o slogan da época, “Ame-o ou deixe-o”.

Incrível é que hoje, em tempos considerados de plenitude democrática, esses valores absolutos pareçam estar de volta. Ou se é a favor ou se é contra. Ou se está do lado ou não se está. É “Ame-o ou deixe-o”. E da mesma forma há uma indústria de destruição de reputações. Baseada na disseminação de fake news. Uma usina de intolerância forçando posicionamentos. A principal autoridade da República reforçando todos os dias a manutenção do discurso do ódio, a eleição de inimigos.

Fica do passado o alerta da triste história do maior cantor brasileiro de todos os tempos. A gritar que os tempos precisam ser de menos intolerância. Felizmente, no mesmo momento em que o filme estreia nos cinemas brasileiros circula na internet um vídeo em que a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP) debate com o deputado federal Marcelo Freixo (PSol-RJ). É possível que esse seja o maior acontecimento político do ano.

Janaína foi a deputada mais votada do Brasil. Obteve mais votos para uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo que Eduardo Bolsonaro consegiu para se eleger deputado federal. É uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. É uma das principais referências do atual pensamento de direita que se estabeleceu na política brasileira. Marcelo Freixo é, por sua vez, uma das principais referências do pensamento de esquerda na política brasileira. Referência na discussão sobre segurança pública. Parceiro de Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro.

Janaína e Freixo, no vídeo, divergem em quase tudo. Discordam quase o tempo todo. Mas concordam num ponto fundamental. O diálogo é a pedra fundamental da democracia. Não existe democracia sem a busca de consensos. Democracia não convive com intolerância. Democracia não convive com falta de respeito. Democracia espera, busca, o relativo. Democracia não combina com o absoluto.

Do confronto violento, do ódio absoluto, da estratégia que busca vitórias e derrotas absolutas, não sairá país nenhum. Ou, pelo menos, não sairá país democrático. Os que dizem coisas como “é impossível dialogar com imbecis” autorizam seus adversários a dizerem de si o mesmo. É o diálogo de surdos remetendo um ambiente de ditadura a um tempo que se diz democrático. Que venham mais vídeos como os de Janaina e Freixo.

O filme de Simonal é um alerta. O vídeo de Jaanína e Freixo é um alento…

Anúncios
Política

Simonal, Janaina e Freixo


Nenhum Comentário

Impressiona o amargo gosto de atualidade que há no filme Simonal, de Leonardo Domingues, em cartaz nos cinemas do país. Fabrício Boliveira interpreta Wilson Simonal, cantor que fez enorme sucesso no final da década de 1960 e início da década de 1970. Para muitos, talvez o maior cantor brasileiro de todos os tempos. Que ascendeu ao sucesso numa velocidade estonteante e conheceu o fracasso com igual velocidade, acusado de dedurar os colegas e contribuir com a repressão da ditadura militar.

A história de Simonal é uma das mais tristes da arte brasileira. Morador da favela do Morro do Pinto, no Leblon, Simonal incorporava todos os trejeitos do malandro carioca. Dono de um ego impressionante, considerou que seu talento e sua malandragem eram suficientes para navegar naqueles bicudos tempos da ditadura. Queria fazer sucesso afastado da disputa política do seu tempo. Achou que podia transitar bem com todo mundo. Ganhou dinheiro demais. Gastou dinheiro demais. Achou que estava sendo enganado por seu contador. Achou que seria uma boa ideia arranjar uns meganhas para dar uma surra nele. Achou que não teria nada demais se esses meganhas fossem ligados à repressão. Não contava que o contador fosse denunciar a surra à imprensa. Tolo, ingênuo, o típico malandro otário, arrotou contatos com a repressão que na verdade não tinha. Enrolado, foi abandonado tanto pela ditadura como pela classe artística.

O filme conta a história de Simonal sem fazer concessões à sua fraqueza de caráter e aos erros que ele cometeu. Mas mostrando como é possível se destruir a reputação de alguém adicionando falsidades a um fio de história. Logo, Simonal era apontado como dedo-duro, quando, na verdade, nunca entregou ninguém. Até porque, de fato, não tinha contato nenhum com ninguém da repressão. Diziam nas ruas que ele é quem tinha entregue Caetano Veloso e Gilberto Gil. Caetano e Gil foram presos porque suas atitudes tropicalistas incomodavam o regime. No mesmo dia, deveriam ter preso também Geraldo Vandré, mas ele conseguiu escapar. Anos depois, Caetano dirá em entrevista que Simonal nada teve a ver com a história.

Como mostra o filme, a ditadura largou Simonal à própria sorte, deixando vazar informações capazes de construir as fake news da época e destruir sua reputação. Simonal era também um incômodo aos padrões da época. O negro bem sucedido, milionário, com três Mercedes na garagem, casado com uma linda loura branca. Fazendo tributos a Martin Luther King. Destruindo o mito da igualdade racial que a ditadura queria preservar. Tempos de ditadura são tempos absolutos. Ou se é a favor ou se é contra. Ou se está do lado ou não se está. É, como dizia o slogan da época, “Ame-o ou deixe-o”.

Incrível é que hoje, em tempos considerados de plenitude democrática, esses valores absolutos pareçam estar de votos. Ou se é a favor ou se é contra. Ou se está do lado ou não se está. É “Ame-o ou deixe-o”. E da mesma forma há uma indústria de destruição de reputações. Baseada na disseminação de fake news. Uma usina de intolerância forçando posicionamentos. A principal autoridade da República reforçando todos os dias a manutenção do discurso do ódio, a eleição de inimigos.

Fica do passado o alerta da triste história do maior cantor brasileiro de todos os tempos. A gritar que os tempos precisam ser de menos intolerância. Felizmente, no mesmo momento em que o filme estreia nos cinemas brasileiros circula na internet um vídeo em que a deputada estadual Janaína Paschoal (PSL-SP) debate com o deputado federal Marcelo Freixo (PSol-RJ). É possível que esse seja o maior acontecimento político do ano.

Janaína foi a deputada mais votada do Brasil. Obteve mais votos para uma vaga na Assembleia Legislativa de São Paulo que Eduardo Bolsonaro consegiu para se eleger deputado federal. É uma das autoras do pedido de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. É uma das principais referências do atual pensamento de direita que se estabeleceu na política brasileira. Marcelo Freixo é, por sua vez, uma das principais referências do pensamento de esquerda na política brasileira. Referência na discussão sobre segurança pública. Parceiro de Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro.

Janaína e Freixo, no vídeo, divergem em quase tudo. Discordam quase o tempo todo. Mas concordam num ponto fundamental. O diálogo é a pedra fundamental da democracia. Não existe democracia sem a busca de consensos. Democracia não convive com intolerância. Democracia não convive com falta de respeito. Democracia espera, busca, o relativo. Democracia não combina com o absoluto.

Do confronto violento, do ódio absoluto, da estratégia que busca vitórias e derrotas absolutas, não sairá país nenhum. Ou, pelo menos, não sairá país democrático. Os que dizem coisas como “é impossível dialogar com imbecis” autorizam seus adversários a dizerem de si o mesmo. É o diálogo de surdos remetendo um ambiente de ditadura a um tempo que se diz democrático. Que venham mais vídeos como os de Janaina e Freixo.

O filme de Simonal é um alerta. O vídeo de Jaanína e Freixo é um alento…

Política

Balbúrdia nas estradas


Nenhum Comentário

Tem razão o presidente da Comissão Especial da Reforma da Previdência, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), quando diz que o presidente Jair Bolsonaro não parece ter noção de prioridade. A reforma, que o governo declara ser sua prioridade, avança aos trancos e barrancos no Congresso. Eis que, quando parece ter se vislumbrando um ambiente de maior entendimento depois da aprovação pelo Senado da Medida Provisória do combate às fraudes do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), Bolsonaro resolve atravessar a Praça dos Três Poderes para pessoalmente entregar no Parlamento, todo pimpão e orgulhoso, um projeto de lei que afrouxa o Código de Trânsito.

Em que medida isso é um ponto importante da sua agenda política? Desde quando passar a mão na cabeça de motoristas que cometam infração no trânsito se insere em um projeto de governo declaradamente de direita? Dar permissão para que alguém permaneça mais tempo fora da lei desde quando é um posicionamento conservador?

Fazer paralelos entre flexibilizar a condução de veículos e flexibilizar a posse e o uso de armas de fogo é um absurdo sem qualquer sentido, independentemente do que se ache de uma coisa ou outra. A turma na faixa dos 50 anos ou mais certamente vai se lembrar da Campanha de Segurança nas Estradas, instituída na década de 1970. No auge da ditadura militar, que Bolsonaro tanto louva e admira, a campanha é o embrião de todo o projeto seguinte que civilizou o trânsito de automóveis no país.

É na Campanha de Segurança nas Estradas, concebida e gerada pelo regime militar, que nasce o que viria a ser mais tarde o Código de Trânsito que Bolsonaro agora flexibiliza. Campanha que tinha como um dos seus slogans memoráveis: “Não faça do seu carro uma arma. A vítima pode ser você”. A mensagem era clara. O automóvel é um meio de transporte que, por pesar toneladas e ser veloz, pode se transformar em uma arma letal se for mal conduzido. Ocorre que essa arma é conduzida de dentro dela. Ou seja: quem faz do seu carro uma arma, além de distorcer o sentido do seu uso, se comporta como um piloto kamikaze, colocando em risco a sua vida e a vida das pessoas que ama. Além de errado, é burrice.

Quem refletir sobre qual seria o perfil de alguém conservador, de direita, certamente vai imaginar um cidadão disciplinado, rigoroso cumpridor das regras e das leis. É para defender a Constituição e as regras que definem o seu país no seu extremo que as corporações militares essencialmente existem. O marechal Eurico Gaspar Dutra, um presidente militar do passado – daqueles que, como Bolsonaro, foram democraticamente eleitos – fazia do cumprimento estrito da Constituição o pilar único do seu mandato. Costumava dizer: “Se está no livrinho (como ele chamava a Carta), eu faço”. Por isso, soa tão estranho Bolsonaro se orgulhar tanto de propor um projeto de lei cuja base é passar a mão na cabeça de motoristas que descumprirem as regras de trânsito.

É que Bolsonaro – assim como seu guru do estrangeiro, Olavo de Carvalho – parece pertencer a uma estranha geração de pessoas que se dizem de direita. Uma certa direita anárquica. Com o perdão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, parece ser o seu chefe quem gosta de balbúrdia. Há diversos momentos na vida de Bolsonaro em que ele parece se comportar como alguém que só respeita as leis e as regras de que ele gosta. Com as quais se identifica. As outras, ele desobedece solenemente.

A própria história da saída de Bolsonaro do Exército está inserida assim. Capitão do Exército, Bolsonaro primeiro escreveu um artigo para a revista Veja, no qual reclamava dos baixos salários pagos aos militares. A reivindicação podia até ser justa, mas afrontava a regra de que militares da ativa não devem fazer manifestações políticas públicas. Ele mesmo reconhecia no texto o risco de transgredir tal regra: “Corro o risco de ver minha carreira de devoto militar seriamente ameaçada, mas a imposição da crise e da falta de perspectivas que enfrentamos é maior”, dizia. Na sequência, de fato, foi preso por “transgressão grave”, por ter “ferido a ética, gerando clima de inquietação na corporação militar”.

Em seguida, a própria revista Veja revelou em reportagem que Bolsonaro e outro militar, Fábio Passos, tinham um plano de explodir bombas em unidades militares e em pontos do Rio de Janeiro para pressionar o comando. A ideia era que não houvesse vítimas: só se provocasse algum susto, para demonstrar a insatisfação que havia com relação aos baixos salários. Houve uma investigação, e Bolsonaro acabou no final inocentado pelo Superior Tribunal Militar (STM), porque as investigações não foram conclusivas. Pelo artigo inicial, porém, Bolsonaro ficou 15 dias preso. No mesmo ano, 1988, deixou o Exército.

Naqueles anos de início de redemocratização, embora fosse militar, Bolsonaro era um dos alvos da arapongagem do Serviço Nacional de Informações (SNI), que ainda existia. Documentos entregues por um ex-araponga à Comissão de Direitos Humanos da Câmara revelaram, entre outras coisas, que vigiar cada passo de Bolsonaro foi a primeira missão recebida por ele no Exército. Numa conversa no ano passado, durante a campanha presidencial, um general da cúpula do Exército me disse que havia grande resistência inicial ao nome de Bolsonaro como candidato justamente porque ele, como militar, nunca demonstrou muito apreço pela disciplina e pela hierarquia, comportando-se muito mais como um líder sindical da corporação.

Mais recentemente, quando era deputado federal, Bolsonaro foi flagrado pescando em uma área de proteção ambiental perto de Angra dos Reis e foi multado. Em dezembro do ano passado, quando já estava eleito presidente, a multa foi anulada. Em março, o servidor do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) que multou Bolsonaro foi exonerado sem maiores explicações.

São situações que parecem agregar à personalidade do presidente um certo gosto pela transgressão, quando eventualmente a regra o incomoda. Quem tem a caneta presidencial certamente tem muito mais poder para varrer do mapa legal toda regra que incomoda. Mas esse pode ser um comportamento bem perigoso. Como dizia o tio do Homem Aranha, um senhor que, a julgar pelos quadrinhos, em nada parecia ser de esquerda, “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”.

Política

Nunca mais!


Nenhum Comentário

Por uma dessas coincidências da vida, termino justamente hoje a leitura de “Silêncio na Cidade”, romance do meu amigo, o jornalista Roberto Seabra. Meu querido amigo Beto construiu o que os franceses chamam de “roman à clef” – numa tradução livre, “romance com chave”, formato no qual se usam personagens fictícios em substituição aos personagens reais – para retratar o caso Ana Lídia. Neste 31 de março, o golpe militar que mergulhou o país por vinte anos numa ditadura completa 55 anos. Em setembro, o assassinato de Ana Lídia completará 46 anos.

Nestes estranhos tempos, há quem sugira comemorar os 55 anos do dia que virou uma noite de vinte anos. Rememorar aquele dia e suas consequências certamente é algo muito necessário. Rememorar, lembrar, para que nunca mais se repita. Comemorar… Não há nada a comemorar…

Há dezenas de tristes histórias de torturas, assassinatos, desaparecimentos que poderiam ser lembradas para mostrar que não há nada a comemorar. Serão histórias que mostrarão a covardia de um regime que impôs força absolutamente desproporcional contra seus opositores, contra seus adversários. Serão histórias de um regime que se impôs pelo medo, pela sombra, pela violência.

Mas, em todos esses casos, se contarão histórias de violência – ainda que desproporcional – contra adversários do regime. O caso Ana Lídia mostra, porém, como a sombra da ditadura não atinge somente seus adversários. Ela cai, gelada, sobre qualquer um. Ela vitima também os inocentes. Ana Lídia era uma menina de apenas 7 anos. Seus pais, funcionários públicos. E seu bárbaro assassinato nada teve a ver com a forma como eles pensavam ou atuavam. Linda, loura, de olhos azuis, Ana Lídia parecia um anjo de igreja barroca. Nada poderia emoldurar mais que seu rosto a imagem da absoluta inocência.

Às 13h do dia 12 de setembro de 1973, Ana Lídia foi encontrada nua em um matagal próximo à Universidade de Brasília, semienterrada numa vala próxima a marcas de pneus e duas camisinhas. Seus cabelos tinham sido cortados e havia marcas de cigarro em diversas partes do seu corpo.

Em “Silêncio na Cidade”,  Beto Seabra descreve como as investigações chegaram ao irmão de Ana Lídia, Álvaro Henrique Braga. Ele e sua namorada, Gilma Varela de Albuquerque, teriam cometido a barbaridade de entregar a menina como pagamento de uma dívida de drogas junto a traficantes. Venderam a menina pra pagar uma dívida de drogas!

Um dia antes de ser encontrada morta, Ana Lídia foi levada para um sítio nas proximidades de Brasília. Foi nesse sítio que todo tipo de barbaridade foi cometida contra a menina. E é aí que ela deixa de ser somente a vítima de um crime bárbaro para se tornar uma vítima da ditadura.

O sítio pertencia ao então vice-líder da Arena, partido que apoiava a ditadura, no Senado, Eurico Rezende. Entre os suspeitos de terem assassinado Ana Lídia, estavam o filho de Eurico Rezende, Eduardo Ribeiro Rezende, e o filho do então ministro da Justiça, Alfredo Buzaid, Alfredo Buzaid Júnior, conhecido como Buzaidinho. O terceiro suspeito era o traficante  Raimundo Lacerda Duque.

Como narra Beto Seabra em seu romance, o Estado, com a força que só têm as ditaduras, trabalhou para abafar o caso e impedir que as investigações avançassem sobre o filho do senador e o filho do ministro da Justiça. No dia 20 de maio de 1974, a Polícia Federal emitiu um notificado que somente as ditaduras emitem: “De ordem superior, fica terminantemente proibida a divulgação através de meios de comunicação social escrito, falado, televisado, comentários, transcrição, referências e outras matérias sobre caso Ana Lídia”.

Até hoje, não houve um desfecho para o caso. Ninguém foi punido. Há quem ainda leve flores ao túmulo de Ana Lídia. Há quem a considere uma santa. Talvez alguns poucos se lembrem, ao passar pelo escorregador em forma de foguete que há no Parque da Cidade, que ele foi batizado com o nome de Ana Lídia.

Esses que se lembram percebem que há uma chaga viva no coração da cidade que nunca vai se fechar. Chaga que se abriu no dia em que uma menina de sete anos foi violentada até a morte por rapazes que se julgavam capazes de tudo somente porque eram filhos de altas autoridades da República em tempos sem Justiça e sem democracia. O dia também em que pelos louros cachos e pelos olhos azuis de Ana Lídia a cidade perdeu sua inocência. E percebeu que todos, sem distinção, eram vítimas da sombra que escurecia aqueles dias.

As ditaduras assombram. As ditaduras gelam. As ditaduras amedrontam. As ditaduras violentam. As ditaduras disseminam o ódio. As ditaduras impedem o diálogo. As ditaduras dividem as pessoas. As ditaduras fazem chorar e ranger os dentes. As ditaduras nada comemoram. As ditaduras não podem voltar. Nunca mais!

Política

No FlaXFlu, é o “ai, Jesus!” 


Nenhum Comentário

Foto: EBC/Agência Brasil

Na sua primeira entrevista como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Antônio Dias Toffoli viu-se obrigado a declarar que, qualquer que seja o resultado das eleições deste ano, ele será “respeitado”. Terminada a ditadura militar, o Brasil vem votando rotineiramente para presidente da República desde 1989. Ninguém jamais tinha antes achado necessário afirmar que o resultado das urnas seria “respeitado” qualquer que fosse ele. Porque, se vivemos numa democracia, tal frase seria óbvia. Se ela se torna necessária, é por conta dos tempos estranhos que vivemos. Tempos de ódio. Tempos de radicalização. De maniqueísmo. De polarização absoluta. Tempos de FlaXFlu. E, no FlaXFlu, como disse Lamartine Babo na letra do hino do Flamengo, “é o ai, Jesus!”

A pesquisa do Ibope divulgada nesta segunda-feira, 24, reforça a polarização. A não ser que haja uma reviravolta muito grande, o segundo turno será disputado por Jair Bolsonaro, do PSL, e Fernando Haddad, do PT. Neste momento, cerca de dois milhões de mulheres encontram-se nas redes sociais em franca campanha contra Jair Bolsonaro, do PSL, a quem não dizem o nome, chamam de “Coiso” e algumas outras denominações, como os personagens dos livros de Harry Potter faziam com Voldemort. Do outro lado, os apoiadores de Bolsonaro aprofundam os motivos para que seus adversários o chamem de “Coiso” cantando nas ruas que feministas, caso ele ganhe, vão “comer na tigela” porque têm “mais pelos do que cadela”. É nesse clima que caminhamos para o primeiro turno no dia 7 de outubro.

Foi por volta do julgamento do Mensalão, um pouco antes, um pouco depois, que a polarização começou a se esboçar. Que grupos começaram a se dividir nas redes sociais como se fossem torcidas de times de futebol. O início do FlaXFlu. Durante um tempo, era claro que a guerra de torcidas era travada por grupos mais radicais de cada lado. Mas o ativismo dos grupos foi contaminando o debate, colocando, de fato, a maioria da sociedade nessa disputa louca. É de forma absoluta, sim ou não, preto ou branco, que hoje a sociedade parece ver a disputa política. Assim a sociedade parece querer. Assim tudo indica que ela irá votar. Que assuma, então, as consequências depois. Consequências que já levam antes do pleito o presidente da Suprema Corte a dizer que o resultado das eleições “será respeitado”.

Em entrevista ao jornal Valor, José Dirceu, um dos principais estrategistas do PT, diz que o Brasil está dividido ao meio. Segundo ele, 45% estão com o PT e 45% estão com Bolsonaro e outros candidatos conservadores. E que esses conservadores irão votar em Bolsonaro como votaram antes em Fernando Collor e Jânio Quadros, porque jamais votarão num projeto de esquerda. José Dirceu é, sem dúvida, um bom estrategista político. Mas há problemas em seu raciocínio.

Primeiro problema: os conservadores já votaram no PT em eleições anteriores. Como governo, o PT jamais se propôs a ser radical, no extremo da esquerda, como a atual polarização tenta impor. Os governos petistas foram governos de coalizão. Que agregavam partidos que iam da esquerda à direita, como, por exemplo, o PP. Lula teve como seu vice um empresário conservador, José Alencar. Tinha ministros de esquerda na reforma agrária e de direita, defensores do agronegócio, como Kátia Abreu, na Agricultura. Mesmo hoje, seria difícil considerar boa parte dos eleitores das classes mais baixas, especialmente no Nordeste, como de esquerda. Eles são eleitores que o PT não tinha e conquistou no governo com seus programas sociais que representaram melhora nas suas vidas. Não pessoas de esquerda. E certamente não são de esquerda diversos políticos aliados ao PT no Nordeste, como Renan Calheiros (MDB-AL) ou Ciro Nogueira (PP-PI).

O que o PT fez desde o Mensalão foi construir uma narrativa no qual se colocava como vítima das forças conservadoras (que, em parte estavam e anda estão do seu lado). Um discurso que foi aprofundando cada vez mais a ideia de que vivíamos um “nós contra eles”. A elite conservadora, os “louros de olhos azuis”, como chegou a dizer o ex-presidente Lula certa vez, de um lado, e a classe trabalhadora de outro.

Se a ideia do antipetismo refluiu para Jair Bolsonaro, alguém que não demonstra apreço pela democracia, que a vida inteira flertou com o autoritarismo, defendendo o período da ditadura militar e torturadores como Brilhante Ustra, é impossível não considerar que isso em parte tenha se dado porque, na sua defesa, o PT não raras vezes colocou-se como mais de esquerda do que realmente era.

Se houve excessos, erros ou injustiças cometidos nos processos contra o PT, precisaria o PT também em algum momento avaliar em que medida seu próprio comportamento dividiu o país e colocou da forma como colocou metade do país contra ele. E fez com que essa outra metade admitisse da forma como hoje parece admitir ungir alguém que pode mesmo vir a comprometer toda a longa reconstrução democrática que o país vem fazendo desde o fim do regime militar.

Talvez a racionalidade, de um lado e de outro, possa ao final corrigir os rumos e evitar essa tragédia. Fazendo com que o caminho da democracia seja mantido. Segurando os arroubos mais apaixonados das torcidas. Que foram construindo um mundo cuja máxima tem sido: “quem não está comigo, é meu inimigo”. É um mundo de “sim” ou “não”. De preto ou branco. E o mundo real é cheio de matizes. Tem bem mais de 50 tons de cinza. Ignorá-los é um perigo. Ignorância é sempre um perigo. E sempre cobra seu preço.

Política, Uncategorized

Lula e a sua anticandidatura


Nenhum Comentário

Foto: Rovena Rosa – Agência Brasil/EBC

A insistência de Lula na sua candidatura à Presidência da República – completamente impossível, do ponto de vista legal – parece ter alguma inspiração na anticandidatura de Ulysses Guimarães à Presidência, em 1974, em plena ditadura militar. As duas têm um tom de afronta, de protesto. Como Ulysses na ditadura, Lula parece querer, com sua insistência, dizer da mesma forma que a vontade popular não está expressa no pleito.Se as intenções parecem ser as mesmas, a realidade, porém, é muito diferente. Se Ulysses àquela altura sabia que as regras não permitiam de modo algum a vitória de alguém que fizesse oposição ao regime, o gesto agora de Lula pode ajudar a tirar o campo de esquerda de uma disputa eleitoral que, ao contrário da outra, se faz dentro das regras democráticas.

Em 1974, Ulysses valeu-se das regras da eleição indireta inventada pelo regime militar para escancarar que aquele era um jogo de cartas marcadas. Enquanto pessoas eram torturadas, mortas e desapareciam por confrontar o regime, os militares no poder declaravam à população que aquilo tudo se tratava de democracia. O ápice daquela caricatura de democracia era o Colégio Eleitoral, onde um corpo de pouco mais de uma centena de pessoas ia chancelar o nome que o alto comando militar já havia escolhido.

A democracia brasileira ainda pode ter muitos defeitos. E Lula até tem o direito de dizer que entre esses defeitos está o processo que o condenou e o conduziu à prisão na sede da Polícia Federal em Curitiba. E o PT pode repetir esse mantra à exaustão. Mas Lula e o PT não podem dizer que o atual sistema eleitoral brasileiro seja, como o de 1974, um jogo de cartas marcadas. A imprevisibilidade total da atual eleição é um exemplo contundente. Outro é o fato de tal sistema ter feito exatamente do PT o partido político que mais tempo exerceu o poder na história republicana brasileira. A não ser que o PT venha agora admitir que o establishment brasileiro permitiu a Lula se eleger e se reeleger e eleger e reeleger Dilma Rousseff, não há como dizer que a eleição brasileira seja um jogo de cartas marcadas.

Mas as eleições respeitam regras e impõem condições. Em 1974, Ulysses podia se candidatar, mas não podia se eleger. Ficava claro, então, que o jogo não era democrático. Agora, Lula não pode se candidatar. Porque sua candidatura não se enquadra nas regras de elegibilidade previstas em lei, aprovadas pelo Congresso. Lula foi condenado por um tribunal colegiado em segunda instância. Essa é uma condição de inelegibilidade prevista na Lei da Ficha Limpa. A Lei da Ficha Limpa foi democraticamente aprovada no Congresso, teve o declarado apoio à época do PT. Mais do que isso, seu relator na Câmara foi um deputado do PT, José Eduardo Cardozo (SP), depois ministro da Justiça de Dilma e seu advogado no processo de impeachment. E, para completar, foi sancionada pelo presidente da República à época. Que era ninguém menos que Luiz Inácio Lula da Silva, que agora, da prisão em Curitiba, a questiona.

Os movimentos do fim de semana lançam, assim, Lula, o PT, os demais partidos de esquerda e o país como um todo numa jogada de alto risco. O PT lançou Lula à Presidência mesmo sabendo que em outubro ele não será candidato. Sob os conselhos dados por Lula de Curitiba, trabalhou para anular ao máximo da lista de votação outras opções de esquerda. Não queria que, à luz dessa impossibilidade legal, os possíveis eleitores de Lula optassem por outro candidato. Assim, desvitaminou ao máximo a candidatura de Ciro Gomes, do PDT, trabalhando para que o PSB não o apoiasse e ficasse neutro. Parece ter negociado – embora isso não tenha sido anunciado na convenção, como se chegou a noticiar – que Manuela D’Ávila, do PCdoB, seja a sua candidata a vice-presidente, tirando-a também da disputa. Tenta colar a ideia de que Marina Silva, da Rede, deslocou-se ideologicamente para uma posição mais de centro.

Lula trabalha com pesquisas que mostram que quando se informa ao eleitor que o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad seria a sua escolha caso ele mesmo não possa concorrer, as intenções de voto em Haddad pulam de uma faixa de cerca de 3% para cerca de 11%. É nisso que ele e o PT se fiam, na sua capacidade de transferência de votos. Mas 11% talvez não seja suficiente para garantir Haddad no segundo turno, se os números que ele pode alcançar são esses mesmos.

Depois de seus dois mandatos como presidente, quando não pode se candidatar, Lula escolheu para seu lugar também uma desconhecida, Dilma Rousseff. Mas fez o oposto do que está fazendo agora. Dilma foi lançada como candidata mais de um ano antes das eleições. Como presidente, Lula criou uma intensa agenda de inaugurações e eventos, no qual apresentava Dilma ao povo como a “mãe do PAC”, o conjunto de obras do Programa de Aceleração do Crescimento. A população passou, então, a chamar Dilma não de “mãe do PAC”, mas de “a mulher do Lula”. E foi assim que ela venceu.

Desta vez, Lula está preso. Não poderá ele mesmo levar ninguém a lugar algum. Se a substituição fosse agora, seria já pouco mais de um mês para apresentar Haddad como seu substituto. Mas, ao contrário, Lula quer esticar ao máximo essa passagem de bastão. A não ser que Lula seja o maior gênio da política de todos os tempos e consiga reverter o que ele mesmo parecia achar lógico quando escolheu Dilma sua substituta. quanto mais tarde Haddad for apresentado como substituto mais difícil será apresentá-lo como a alternativa, pelo óbvio de que haverá menos tempo para essa tarefa.

Em vez da anticandidatura de Ulysses, Lula talvez devesse ter se mirado em outro momento e outro personagem do combate à ditadura: Tancredo Neves. Nos estertores da ditadura, quando percebeu que o regime se esfacelava, Tancredo lançou-se outra vez como candidato nas regras tortas de eleição da época. E trabalhou para vencer dentro daquelas regras, reconduzindo o país à democracia. Haddad ou outro nome poderiam ter sido já apresentados como o Tancredo a representar o PT dentro das regras da atual eleição. Pode-se questionar os argumentos da condenação de Lula. Mas não se pode questionar que ele está condenado, dentro das regras legais. Ao contrário de 1974, não é a regra que se questiona. Agora, é Lula quem está fora da regra.