Política

Política

É a economia estúpida


Nenhum Comentário

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil-EBC

Giselle Chassot*

Um funcionário do FMI de 26 anos. Um pastor a e músico-norte americano. Tinham em comum a defesa do fim do isolamento social para contar o avanço da pandemia. Tinham. Porque ambos estão mortos. Ironicamente, pelo coronavírus de que desdenharam.

Será que, a essa altura, para a família e os entes queridos de ambos continua válida a opção entre a economia e a vida humana? Ou ela agora já terá se tornado, como deve, um descalabro? A tese de que não dá para parar o mundo porque alguns vão morrer talvez nos tenha trazido a onde estamos e ao que somos agora. Uma população de insensíveis, que se habituou a não ver os problemas dos outros, a considerar invisíveis quem não é parte da nossa bolha.

São os velhos e os frágeis que vão morrer? Então, danem-se os menos favorecidos, os miseráveis, os idosos que não produzem mais. É a economia, estúpido.

Mas que economia? A economia que coloca em risco a saúde e a vida das pessoas? Certamente, a mesma economia que insiste que o Sistema Único de Saúde está falido, mas corre para ele em busca de vacinas; ou a economia que reclama das universidades públicas, mas clama agora por pesquisas científicas capazes e debelar os riscos da doença. Ou, ainda, a economia que desdenha da imprensa tradicional mas corre para ela em busca de informações confiáveis. No caso, não é a economia, estúpido. É a economia estúpida…

Quem diz defender o pequeno empresário, “que vai falir se não produzir” está interessado em seus milhões de prejuízo diário. Pouco importa a ele se o pequeno vai fechar. Porque o pequeno sabe que um comércio ou um empreendimento atendem pessoas de verdade, e não números gerados pelo deus-mercado.

O hipócrita que faz passeatas com seus carrões defendendo o fim do isolamento pode se isolar. Mas a enfermeira, o lixeiro, o policial não podem. E nenhum de nós que pode ficar em casa também deve sair. Não vale a pena se tornar um possível “porta-vírus” e levar a doença para dentro de nossas casas ou alastrá-la irresponsavelmente pelo país.

Quando escrevia esse texto, o número de mortos no Brasil chegava a 15. Ou achatamos a curva de crescimento da pandemia ou não haverá leitos e respiradores disponíveis para todos nem no SUS nem nos luxuosos hospitais privados. Quando os defensores da economia precisarem desses equipamentos e não os encontrarem, talvez percebam que a doença, ao contrário do que eles insistem em alardear, não acomete só os velhinhos, os doentes e a população de rua. E um problema de saúde pública, em grandes proporções, é também um grave problema econômico.

Na Inglaterra, que no começo experimentou a ideia que agora cativa por aqui a alguns, o príncipe Charles, herdeiro do trono, e o primeiro ministro Boris Johnson testaram positivo para o coronavírus. Não é possível defender que Johnson possa estar inserido em nenhuma das categorias. Ele não é nem velho, nem frágil, nem miserável.

Quem tenta tirar a população de casa não dá valor algum à vida de quem produz para fazer a roda da economia girar. É gente que se considera diferenciada, eternamente jovem e inatingível. Talvez sejam. Mas, ainda que acreditem que a covid-19 é uma doença de velhos, devem ter velhos em quem pensar. Ou não?

A defesa implacável da economia sobre a vida é o ápice de um tempo em que as pessoas olham para o lado e não enxergam gente. Precisamos entender que não, não é a economia, estúpido.

  • Jornalista
Política

O vírus da política


Nenhum Comentário

Foto: Isaac Nóbrega/PR

Há alguns dias, o governador Ibaneis Rocha, vendo o rumo que já vinha tomando a discussão sobre o novo coronavírus envolvendo o presidente Jair Bolsonaro e os governadores, especialmente o governador de São Paulo, João Dória, desabafou, irritado, com um interlocutor: “Fica todo mundo olhando só para o próprio umbigo. Politizando o que não é para politizar”.

Essa é a chave para explicar por que Ibaneis resolveu não participar da reunião de todos os demais governadores com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nas últimas horas, desde o arriscadíssimo pronunciamento de Bolsonaro na televisão, sugerindo às pessoas que flexibilizassem o confinamento e voltassem ao trabalho para evitar um desastre econômico, o debate em torno da covid-19 foi deixando de ser um debate médico-sanitário para virar um debate político-eleitoral.

O governador do DF optou por não ser mais um no retrato dessa disputa que, no momento, em nada ajuda na prática a contenção da contaminação pelo coronavírus. Ao contrário, só expõe o mundo das autoridades à contaminação por outro bichinho: o vírus da política, aquele que, desde o célebre poema escrito no século 19 por Machado de Assis, a gente sabe que é transmitido pela mosca azul.

Não que Dória ou Rodrigo Maia a essa altura sejam os únicos responsáveis por essa politização do tema. Na verdade, quem começou com isso foi Bolsonaro. Ele é que, sentindo ficar numa posição coadjuvante nas ações para evitar a pandemia, optou por essa estratégia de fazer um discurso na contramão de todos os demais. Sua hesitação e inação levou ao protagonismo dos governadores e de seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Não por acaso, seu pronunciamento aconteceu depois da divulgação da pesquisa Datafolha que mostrava maior grau de confiança da população nas ações dos chefes estaduais e do ministro da Saúde.

No caso de Ibaneis, na prática, não ter ido à reunião dos governadores com Maia em nada muda as suas ações. Ibaneis foi o pioneiro na adoção das medidas de restrição para evitar o contágio. Foi o primeiro a fechar escolas e lojas. Não teria sentido mudar de opinião quanto a isso agora. Pelo contrário, é possível que, ao final do decreto, que acaba em 4 de abril, ele acabe estendendo novamente as medidas de restrição caso haja necessidade.

Foi Ibaneis quem pediu à Justiça que exigisse do Hospital das Forças Armadas (HFA) a entrega da lista de nomes das pessoas que ali fizeram exames e testaram positivo para o coronavírus. E é estranho que o hospital informe que houve 17 testes positivos mas tenha omitido o nome de duas pessoas. Bolsonaro e sua mulher, Michelle, ali fizeram seus testes. Ou seja: na prática, a linha de Ibaneis neste momento vai no sentido oposto à adotada por Bolsonaro. E o governador do DF não se furta a situações de confronto como essa.

Quanto a, porém, discutir agora a contaminação pelo vírus da política e não pelo coronavírus, aí, é outra história…

Política

Notícias à Bolsolândia


Nenhum Comentário

Foto: Reprodução/vídeo

Foi assustadora – não há outro termo possível – a total desconexão das declarações do presidente Jair Bolsonaro nos últimos dias do que a realidade mostrava não apenas no Brasil mas no planeta.

Enquanto as bolsas do mundo todo derretiam na segunda-feira, Bolsonaro pintava – com esmero e um óculos de sol verde-limão no rosto – os retângulos de um quadro de Romero Britto.

Aliás, Romero Britto, que também retratou em seus tempos Lula e Dilma Rousseff, é uma ótimo opção, com seus cachorrinhos, gatinhos e passarinhos coloridos, para pintar cenários descolados da realidade.

Na sequência da tarde de pintura, Bolsonaro disse que a disseminação do coronavírus era um “exagero da imprensa”, que a queda histórica das Bolsas de Valores no mundo era uma coisa episódica. Repetia uma dessas tolices da internet, ao dizer que a dengue mata muito mais do que o coronavírus.

Um dia depois, a Organização Mundial de Saúde decretava ser a disseminação do coronavírus uma pandemia. As bolsas voltaram a cair ontem no mundo inteiro. Houve novos casos de circuit breaker, mais de uma interrupção das atividades num único dia. O dólar ultrapassou no Brasil a perigosa casa dos R$ 5.  O ídolo de Bolsonaro, Donald Trump, anunciou drásticas medidas para tentar conter o avanço do vírus nos Estados Unidos. País do qual Bolsonaro voltou com integrantes da sua comitiva, como o secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, infectado. Ao final da semana, estava o presidente fazendo um pronunciamento usando máscara cirúrgica, em isolamento, seguindo a orientação do seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.  Não era uma besteira, presidente.

Fora da Bolsolândia, esse mundo virtual que o presidente parece ter escolhido para si e para seus seguidores mais fieis, o mundo passa por um momento de grande perigo. O Brasil, por maior que seja o esforço contrário de Bolsonaro, não está desconectado do mundo. E seu governante deveria estar bem mais preocupado com isso.

Ao contrário da tolice repetida na internet, o problema do coronavírus não é se ele mata mais ou menos que a dengue ou outras doenças. O problema do coronavírus é que ele é conhecido há somente alguns meses e já infectou centenas de milhares de pessoas no planeta. O problema é, portanto, essa impressionante velocidade de disseminação.

Ele não é grave entre os mais jovens. Para eles, é letal em apenas 0,2% dos casos. Mas é muito grave entre os idosos, em torno de 18%. Um estudo publicado na edição de ontem do Jornal de Brasília mostra que, tomando-se por base o que aconteceu na China, em 15 dias poderá haver cerca de quatro mil pessoas infectadas no Brasil. Algumas centenas dessas pessoas serão idosos. Se esses idosos precisarem de leitos de UTI, que não existem nessa quantidade, temos aí um gravíssimo problema de saúde pública.

O que impressiona hoje é que a Bolsolândia não agrega sequer alguns dos próprios integrantes do governo. Ciente do tamanho do problema, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, montou um gabinete de crise há algumas semanas e vem fazendo um irrepreensível trabalho de monitoramento da situação.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, demora a reagir, mas também parece ter sentido o tamanho da encrenca. O problema de saúde pública traz consigo um gravíssimo problema econômico. Os Estados Unidos proibiram na quarta-feira (11) voos para a Europa. Medidas restritivas como essas tomadas pelas economias do mundo certamente farão circular menos dinheiro. É o espectro ameaçador da crise em proporções mundiais.

A solução até então posta, de acelerar as reformas, deixa de ser solução nesse cenário. Não adianta somente criar um quadro que seja mais atraente para novos investimentos se o mundo, e com ele seus investidores, entrarem num momento de retração. Não haverá investimentos.

É aí que entra a face mais perigosa da desconexão de Bolsonaro. A negligência de uma autoridade no seu posto traz o risco de novas negligências e desconexões. Então, se Bolsonaro cria sua Bolsolândia, o Congresso, na esteira, cria a sua Congressolândia. E, num momento como esse, resolve aumentar em R$ 20 bilhões as despesas do governo com gastos sociais, derrubando um veto presidencial e ampliando os gastos com o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

O problema disso tudo é que não há para nós a opção de nos abrigarmos na Bolsolândia. Nem na Congressolândia. Tudo o que não precisamos agora é de um presidente ou de parlamentares desconectados da realidade, repetindo frases lacradoras para seus seguidores nas redes sociais. Nem Romero Brito nem máscaras cirúrgicas sem necessidade. O que precisamos é de seriedade neste momento.

Política

Alzira Soriano, nossa Mulher Maravilha


Nenhum Comentário

Há algumas famílias que têm o privilégio de ter seus super-heróis particulares. Um bombeiro que arrisca a sua vida para salvar pessoas. Um bom e corajoso policial. Um médico querido de toda a comunidade. Pessoas que, pelo seu exemplo, marcam e orientam as trajetórias de todos os que estarão próximas delas.

Minha família não tem um super-herói. Tem uma super-heroína. Alzira Soriano foi a primeira mulher a exercer um cargo público no Poder Executivo na América Latina. Em 1929, portanto há 87 anos, Alzira, minha bisavó, foi eleita prefeita da cidade de Lajes, no sertão do Rio Grande do Norte.

A história da saga de minha bisavó marcou de uma forma incrível minha família. Durante muito tempo, fomos um matriarcado, de mulheres fortes mandando e definindo os destinos de suas famílias. Se não continuamos assim foi por conta de gerações posteriores quase que somente masculinas. Os Soriano – que depois viraram Lago, quando minha avó, Ismênia, casou-se com o dentista Ruy Lago e teve três filhos, José, meu pai, e seus dois irmãos, Thomaz e Ruy – viraram homens diferentes. Temos um profundo respeito pelas mulheres e conseguimos vê-las de fato como iguais. Não como seres mais frágeis. Ou muito menos com aquelas ideias bobas antigas, de responsáveis pelo pecado original, etc. Pelo contrário, elas nos parecem até superiores. Super-heroínas, mesmo.

Trata-se de uma mulher que ficou viúva aos 22 anos. Seu marido, Thomaz Soriano de Souza, morreu de gripe espanhola em 1919. Minha bisavó teve que se virar sozinha, com duas filhas nascidas e mais uma na barriga. Assim forjou-se aquela que, em 1929, se tornaria a primeira prefeita da América Latina, motivo na época de matéria até no New York Times.

Vovó Alzira é mais um daqueles casos que o destino forja. Se não tivesse ficado viúva tão cedo, certamente não teria que, tão cedo, administrar uma fazenda em pleno sertão nordestino, a Fazenda Primavera. Não teria que mandar em homens, em rudes vaqueiros. Não chamaria a atenção do movimento feminista do Rio Grande do Norte, que não a escolheria como opção de mulher para disputar as eleições para prefeito. É provável que ela ficasse na condição de dona-de-casa, cuidando das suas filhas. Mas o destino não quis assim, e vovó Alzira foi fazer história.

Não que já não houvesse o gosto pela política na família. O pai de minha bisavó, Miguel Teixeira de Vasconcelos, já era um dos líderes políticos da região. Mas meu bisavô era nome apontado como provável futuro governador do Rio Grande do Norte. Ou seja: se não tivesse morrido, a primazia política era dele. Até porque era um mundo majoritariamente masculino (infelizmente, ainda vivemos num mundo majoritariamente masculino…). Em 1929, quando vovó Alzira foi eleita, as mulheres no Brasil ainda nem votavam. Ela se aproveitou  de uma brecha na legislação eleitoral do Rio Grande do Norte. A legislação permitia que homens e mulheres fossem candidatos, embora mulheres não votassem. As sufragistas foram atrás de pessoas com perfil para, mesmo assim, terem chances de ser eleitas. Como forma de abrir caminho na luta pela emancipação feminina.

alzira-2

Vovó teve que ser dura. Ouviu muitas piadas e xingamentos. Os homens contrapunham a ideia de “homem público”, ligada ao político, a “mulher pública”, para insinuar que ela era uma prostituta por fazer política, por administrar uma cidade. A necessidade de ter de responder a esse tipo de coisa fez de vovó, dizem, uma mulher que não costumava levar desaforo para casa. O seu secretariado no município era composto apenas por homens. Uma mulher baixinha mandava neles. Não cheguei a conhecê-la. Conheci minha avó e suas irmãs, minhas tias-avós, que não eram diferentes. Ai de quem se atrevesse a tratá-las como ‘mulherzinhas”, no sentido pejorativo do termo.

Eram admiráveis na inteligência rara e no conhecimento político, mulheres atualizadas, sempre antenadas, profundas. Meu pai era absolutamente fascinado pela imagem da avó. Enquanto meu pai foi vivo, vovó Alzira era citada praticamente todos os dias. A Fazenda Primavera, que ela administrava, era o local sempre das férias do meu pai. Ele, um Pedrinho, e a fazenda, o seu “Sítio do Pica-pau Amarelo”.

A aventura de minha bisavó como prefeita durou apenas um ano. Em 1930, houve a revolução e ela deixou o cargo com a ascensão de Getúlio Vargas. Mais tarde, foi duas vezes vereadora. Chegou a presidir a Câmara e a liderar a UDN no município.

Hoje, a casa em que minha bisavó nasceu, em Jardim de Angicos, no sertão do Rio Grande do Norte, é um museu que guarda a memória da sua imensa aventura.

Noventa e um anos depois, neste Dia Internacional da Mulher, não sei como ela enxergaria o mundo que ajudou de forma decisiva a transformar. Por aqui, uma mulher já chegou à Presidência da República. Para depois sofrer um processo de impeachment. Elas ainda são absoluta minoria no universo da política. Ainda ganham salários menores para exercerem as mesmas funções que homens. Ainda sofrem violência somente pelo fato de serem mulheres. Violência que cresce, na atual escalada assustadora do feminicídio. Ainda cumprem dupla jornada porque não conseguem ajuda doméstica de seus maridos. O mundo ainda sente falta de outras Mulheres Maravilhas, como foi minha bisavó Alzira Soriano.

Política

O contraponto é com as raposas…


Nenhum Comentário

Movimentos na política às vezes são bastante sutis. Há a impressão de que nada de novo aconteceu. Mas as camadas subterrâneas se movem, e os resultados concretos irão aparecer mais adiante. Para se antecipar às coisas, é preciso observar com lupa e atenção esses movimentos.
À primeira vista, a história da convocação feita pelo presidente Jair Bolsonaro para as manifestações do dia 15 de março não parece ter tido maiores consequências. Pelo menos para aqueles que esperavam grandes reações ou até mesmo, na visão dos mais exaltados, o início de um processo de impeachment. Mas houve alguns movimentos menores nesse processo que têm algum significado.
O primeiro deles foi a ida ao Palácio do Planalto no início da semana do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, para dar a Bolsonaro o recado de que o Poder Legislativo “não toleraria” novo ataque semelhante.
É claro: precisamos ver que efeitos concretos decorrerão disso. Primeiro, Bolsonaro não é dado a sutilezas. Então, é preciso esperar para ver se ele de fato entendeu o recado. Segundo, também é preciso esperar para ter certeza se o ultimado feito por Alcolumbre era para valer mesmo.
O segundo movimento foi a nota conjunta feita também no início da semana pelos partidos de oposição. Há muito tempo, não apareciam unidos em uma mesma ação partidos como o PT, o PDT, o PSB, o PCdoB, o PSOL e a Rede. Se a nota significa como desdobramento algum tipo de ação conjunta mais efetiva, também só o tempo dirá.
O que já se pode inferir de concreto dos dois episódios, porém, é avaliar de onde, efetivamente, virá mais efetivamente um contraponto aos excessos de Bolsonaro. E, neste momento, parece mais claro que ele venha do centro, de Alcolumbre e seus demais representantes.
Primeiro, esses partidos de centro estão atuando em bloco na Câmara, reunindo 297 deputados, o que é mais do que suficiente para definir qualquer situação. Ao final da semana, conseguiram estabelecer o acordo com o governo em torno do orçamento impositivo. Uma solução salomônica bem ao gosto das velhas raposas do antigo PSD que parecem lhes servir de inspiração. Havia um impasse sobre o controle dos R$ 30 bilhões de verbas, dividiu-se o problema ao meio: R$ 15 bilhões para cada um.
Do centro, saiu a solução. No tresloucado governo Bolsonaro, dois ministros hoje se destacam: Teresa Cristina, da Agricultura, e Luiz Henrique Mandetta, da Saúde. Ambos são do DEM, o líder dessas movimentações do centro.
Enquanto isso, a oposição de esquerda parece encontrar dificuldades para ir além da construção de uma nota conjunta. De novo, por exemplo, há problemas no momento da escolha de quem seria o líder da minoria na Câmara. Na primeira vez, o PCdoB deu um tombo no PSB. Os socialistas esperavam ter como líder Alessandro Molon (RJ) e o cargo foi para a comunista Jandira Feghali (RJ). Agora, era o PDT quem aspirava a vaga. E o tombo quem dá é o PT, que articulou para que o líder seja o petista José Guimarães (CE).
Alguém que participou da última reunião da oposição de esquerda, conta o seguinte bastidor. Em determinado momento, um deputado avaliou: “O apoiamento a Bolsonaro não existe mais. Ele está isolado”. Um outro deputado, diante do que via nas redes sociais, rebateu de pronto: “Não sei onde ele está vendo esse tal isolamento”.
Diante de uma esquerda perdida, goste-se ou não do estilo, é do rabo felpudo das raposas de centro que vai se dando, por enquanto, o contraponto…

Política

Água mole em pedra dura…


Nenhum Comentário

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil – EBC

Não foram poucas as vezes, na sua longa carreira parlamentar, em que o então deputado Jair Bolsonaro viu-se às voltas com a discussão sobre se teria ou não quebrado o decoro. Em todas as ocasiões em que se discutiu a possível abertura de um processo de cassação do seu mandato, ao final seus pares acabaram passando a mão na sua cabeça e Bolsonaro acabou se safando.

O desfecho dessas situações acabou sendo esse por conta de dois possíveis aspectos, não necessariamente excludentes. O primeiro: testar os limites das instituições e da democracia tornou-se uma espécie de esporte para Bolsonaro. O segundo: muitas vezes, os demais deputados o consideraram um ser exótico, um integrante exaltado do baixo clero, a quem eventualmente dar muita importância ao que ele dizia seria talvez dar ainda mais projeção a ele.

Quanto ao primeiro aspecto, não resta a menor dúvida de que Bolsonaro segue semanalmente testando os limites das instituições e da democracia. Ele parece agir como uma equipe de Fórmula Um que corre o tempo todo com o regulamento debaixo do braço, não para respeitá-lo integralmente, mas para descobrir que brechas existem nele e de que forma elas podem auxiliá-lo a transgredi-lo.

E aí entra o segundo aspecto. Se as transgressões ao regulamento não produzirem qualquer efeito prático, é bem possível que as equipes adversárias não prestem muita atenção a isso. Mas e a brecha encontrada colocar a equipe na liderança do campeonato, certamente isso vai gerar reação dos adversários.

Se ao longo da vida parlamentar de Bolsonaro, transgressões à regra foram toleradas por seus pares porque eles o consideraram um exótico a quem não se deveria dar importância, fica claro que isso, se aconteceu, terá sido um erro estratégico. Foi isso que permitiu a ele criar a ideia do “Mito”, o político lacrador, que diz o que pensa, sem papas na língua. Aquele que traz, como ele mesmo diz, a “verdade”, para citar em seguida o trecho da Bíblia que diz que a verdade “libertará”.

Bolsonaro é hoje presidente da República. Portanto, quando ele testa os limites das instituições e da própria democracia, o efeito possível de tal ato é diretamente proporcional ao tamanho do cargo que ocupa.

Por outro lado, Bolsonaro parece bom no esporte que pratica. Ao testar os limites, ele parece sempre deixar suas próprias brechas. Ou suas opções de recuo. Se fica possível avançar a partir do limite estabelecido, avança-se. Se as instituições reagem, recua-se. Isso já aconteceu várias vezes. E parece ter acontecido de novo com a história do compartilhamento dos vídeos que convidam para as manifestações contra o Congresso.

Bolsonaro constroi a tese de que fez compartilhamentos de “cunho pessoal”, entre amigos no whatsapp. Não institucionalmente, como presidente. É difícil separar o pessoal em alguém que, presidente da República, representa uma instituição. Diz também que os vídeos que ele compartilhou criticam, mas não falam em fechamento do Congresso. Mais que tudo, ele adota como postura apoio a uma manifestação em favor do seu governo, e não contra os demais poderes. Diante da reação dos demais poderes, houve um recuo.

Neste momento, o aspecto positivo de tudo isso foi a pronta reação das autoridades que representam os demais poderes e outras instituições. Demonstraram que parecem estar funcionando os famosos freios e contrapesos que mantêm os poderes equilibrados e impedem que um extrapole sobre o outro. O problema é saber que resiliência tem de fato uma democracia ainda não totalmente madura como a brasileira ao se ver testada o tempo inteiro. É saber se esse constante teste dos limites não equivale àquele velho ditado: “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”.

Política

Freios e contrapesos de Rodrigo Maia


Nenhum Comentário

Foto: Agência Brasil/EBC

A mais de um interlocutor nos últimos dias, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que, se receber um pedido bem fundamentado de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, ele poderá aceitá-lo e dar encaminhamento ao processo. Independentemente de qual seja o desfecho, é nesse pé que está hoje o perigoso flerte que Bolsonaro vem fazendo com o autoritarismo.

Em 1748, o filósofo francês Montesquieu publicou os 31 volumes da sua obra “O Espírito das Leis”. Nela, ele estabelece o que ficou conhecido como sistema de “freios e contrapesos” entre os poderes. Trata-se de um princípio basilar das democracias. Significa dizer que os poderes têm de trabalhar de uma forma em que um equilibre o outro. Numa democracia equilibrada, estabelece-se um sistema em que um poder terá ferramentas para impedir que um outro poder extrapole os seus limites. São os freios e contrapesos. Se um poder ultrapassa, os demais precisam ter condições de trazè-lo de volta para o lugar.

O ex-senador Marco Maciel, vice-presidente da República no governo Fernando Henrique Cardoso gostava de chamar o princípio estabelecido por Montesquieu de “equipotência dos poderes”. Os americanos e ingleses chamam de “check and balances”. Qualquer nome que se dê, os freios e contrapesos existem e são fundamentais em qualquer democracia.

Admirador declarado dos tempos nada democráticos da ditadura militar, o presidente Bolsonaro age na democracia como uma criança mimada que a todo momento testa os limites da autoridade dos seus país. Se os pais cedem, ele avança testando novos limites. Se os pais reagem, ele recua. Daí, a necessidade sempre da utilização no momento dos tais freios e contrapesos propostos pelo iluminista francês.

No nosso caso atual, quem tem se valido com gosto da prerrogativa de contrabalançar os excessos do presidente tem sido Rodrigo Maia. Naturalmente, na linha do que propôs Montesquieu, isso faz parte do seu papel. Mas também seria ingênuo supor que Maia assim age somente movido por suas convicções democráticas. O presidente da Câmara viu no comportamento de Bolsonaro uma janela de oportunidade. E é por ela que ele ensaia passar.

A profunda polarização ideológica das últimas eleições parece ter afundado o Brasil num tempo de insanidade. O contraponto de um presidente que ofende, difama e dá bananas para jornalistas virou, por exemplo, um senador, Cid Gomes (PDT-CE), avançando com uma retroescavadeira contra policiais militares. Que, diga-se, também extrapolam de seus direitos assombrando cidadãos, fechando lojas do Ceará encapuzados.

Rodrigo Maia prega que o antídoto para o hospício do radicalismo é a recuperação do centro democrático. Na sua avaliação, foi quando o país optou por esse centro que ele encontrou as melhores condições de estabilidade para avançar. Desde o ano passado, ele patrocina filmes divulgados na internet com essa ideia, dirigidos com competência pelo marqueteiro Chico Mendez.

Reuniões rotineiras têm sido feitas por Rodrigo Maia com políticos do centro democrático. Mesmo nomes do PT, como o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) e o senador Jaques Wagner (PT-BA), têm participado das conversas. Na prática hoje, elas servem para manter Maia com o comando da Câmara, de onde ativa seus freios e contrapesos para evitar maiores arroubos do Executivo. Ele espera que tais ações redundem em alguma coisa na sucessão presidencial de 2022.  Pouco provável que elas tragam como consequência a própria candidatura de Maia. Mas ele pelo menos espera ter um papel preponderante na construção de um nome de centro para oferecer aos eleitores na ocasião.

O presidente da Câmara tem, por exemplo, conversado quase diariamente com o apresentador de TV Luciano Huck, nome que hoje também tem a simpatia do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Como alternativa, Huck tem um potencial curioso: mais do que com Bolsonaro, ele disputa votos entre a população mais pobre que hoje é eleitora de Luiz Inácio Lula da Silva, que, barrado pela Lei da Ficha Limpa, não disputará a eleição.

Tudo isso, é claro, se a racionalidade e o respeito à democracia for mantido daqui até 2022. Para isso, a democracia possui seus instrumentos. Os freios e contrapesos estabelecidos por Montesquieu. Nesse sentido, Rodrigo Maia abre sua caixa de ferramentas.

Política

Sobre vertigens e fábricas


Nenhum Comentário

Enquanto a esquerda brasileira via-se decepcionada com a não premiação de “Democracia em Vertigem” com o Oscar de Melhor Documentário, os vencedores da noite na categoria, Steven Bognar e Julia Reichert, diretores de “Fábrica Americana”, subiam ao palco pomposo do Dolby Theatre e recitavam lá de cima a frase inicial do “Manifesto Comunista”, de Karl Marx e Friederich Engels: “Trabalhadores do Mundo, uni-vos!”.

O curto momento ocorrido na cerimônia de premiação do cinema resumiu os dilemas da esquerda. Daqui, mas não necessariamente somente a nossa esquerda. Mas os dilemas da esquerda do mundo inteiro diante dos desafios impostos pela revolução informática e as novas relações de trabalho.

Os diretores de “Fábrica Americana” não pareciam usar o slogan do Manifesto Comunista como uma celebração. Parecia mais um alerta.

Marx e Engels escreveram o Manifesto Comunista em 1848. Ou seja: no meio das mudanças que ocorriam no mundo em consequência da Revolução Industrial. Nas fábricas que surgiam, pessoas eram então submetidas a jornadas de trabalho que chegavam muitas vezes a 18 horas de trabalho. Sem folgas nos fins de semana. Crianças eram colocadas para trabalhar em minas de carvão, porque, pequenas, conseguiam penetrar em cavernas estreitas por onde os adultos não passavam.

Se, efetivamente, a opção pelo comunismo foi se dar em uma Rússia mais agrícola e ainda longe dos avanços industriais, ao contrário do que imaginavam Marx e Engels, a incitação da sua frase inicial de fato uniu trabalhadores pelo mundo e permitiu que eles se organizassem para obter condições mais dignas de trabalho. E foi dessa organização que surgiram sindicatos e, mais tarde, legendas como o Partido dos Trabalhadores, o PT, maior sigla de esquerda do Brasil.

Já comentamos por aqui as razões que levaram à indicação de “Democracia em Vertigem”. Menos do que uma adesão a um posicionamento de um lado do nosso FlaXFlu político ideológico particular, o que atrai a atenção sobre o filme é o fato de ele ser um relato de um fenômeno que preocupa o planeta: o ocaso das democracias representativas a partir da utilização de ferramentas da própria democracia. Em diversos lugares, percebe-se a utilização do apoio das maiorias para minar as democracias por dentro. Inclusive, para alguns, nos próprios Estados Unidos da era Donald Trump, e a pantomima do fracasso do seu processo de impeachment pode ter sido, muitos temem, um exemplo disso.

Mas, para além de toda a discussão sobre se a narrativa feita por Petra Costa é ou não fidedigna quanto ao que tenha ocorrido no Brasil, seu filme é um farol na popa. Aponta para trás. Enquanto “Fábrica Americana” aponta para a frente.

O documentário que ganhou o Oscar fala de uma realidade perturbadora: o esgarçamento profundo das relações de trabalho nestes novos tempos. Como aconteceu no século 19, a atual revolução trouxe novos modelos de relações que as regras antigas não previam. E vem daí o alerta feito pelos diretores a partir da frase do “Manifesto Comunista”. Ou os trabalhadores novamente se unem para compreender esses novos tempos e saber como lidar com eles ou serão atropelados pela História.

E é esse o dilema hoje do PT e da esquerda de um modo geral. Nosso principal partido de esquerda – e também os outros – não tem qualquer proposta para lidar com os desafios dessa nova revolução. Não sabem o que fazer diante de fenômenos que afastam as relações de trabalho do cenário ao qual se acostumaram e cresceram. Cada vez menos há portas de fábrica. Cartões de ponto. Jornadas estabelecidas. Carteira de trabalho.

Há o mundo do home office. Da pejotização. Dos motoristas de aplicativo. Das empresas que entregam comida. Do sujeito na Índia que se associa a outro no Canadá para juntos desenvolverem um aplicativo para uma empresa que está instalada no Japão.

Enquanto a cerimônia do Oscar acontecia, “Democracia em Vertigem” perdia e “Fábrica Americana” vencia, o PT fazia 40 anos. E, num contundente e amargo artigo, o ex-presidente do partido e ex-ministro da Justiça Tarso Genro dizia por que ele resolvera não ir à festa. No artigo, publicado no site UOL, Tarso avalia, com todas as letras, que “o PT ficou obsoleto”. “Não adianta, por exemplo, o PT prometer se renovar e pregar a restauração da CLT. Os processos de trabalho foram fragmentados e hoje temos autônomos, horistas, PJs, precários, intermitentes… Trata-se, neste caso, de organizar um outro sistema público protetivo que envolva estes excluídos das legislações trabalhistas, que irão aumentar”, escreve Tarso.

Ele conclui: “Acho que o PT não acompanhou essas mudanças”. Na verdade, aparentemente, nem o PT nem a grande maioria dos partidos de esquerda. Foi esse o alerta feito na cerimônia do Oscar. Um alerta que ajuda a explicar muita coisa…

Política

Damares, Norte e Nordeste


3 Comentários

Foto: Fabio Pozzebom/Agência Brasil-EBC

Não resta a menor dúvida de que a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, é polêmica. Mas não resta a menor dúvida também de que ela é o que o presidente Jair Bolsonaro chama de “terrivelmente evangélica”. Está totalmente identificada com o discurso conservador, especialmente nos costumes, que hoje ocupa o poder no país. E Damares é também a responsável por atacar os graves problemas sociais que ainda estão bem longe de resolvidos no Brasil. A combinação desses dois fatores faz com que, hoje, Damares esteja escalada pelos estrategistas políticos do governo para um importante papel: ser a cabeça de ponte a estourar o dique de votos e popularidade que o principal adversário do bolsonarismo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu PT, mantém nas regiões Norte e Nordeste. Não estranhe a linguagem militar, pois é esse o jargão usado principalmente pelos estrategistas do governo.

O raciocínio em torno de Damares vem da própria evolução de como Lula conquistou o seu cacife na parte norte do país. Na sua primeira eleição, em 2002, a maior parte dos votos do ex-presidente petista viera das regiões Sul e Sudeste. Foi somente na sequência do seu governo, na sua reeleição e nas duas eleições de Dilma Rousseff, que o cenário se inverteu e a principal reserva de votos petistas passou a vir do Norte e do Nordeste. Para os estrategistas do governo, isso não foi exatamente o resultado de uma guinada político-ideológica à esquerda vinda dos eleitores dessa região. Foi consequência da ampliação do Bolsa Família e do sucesso das políticas sociais dos governos do PT.

Resultado, portanto, da profunda carência social da população mais pobre dessas regiões. É claro que promover igualdade social está mais próximo do discurso da esquerda. Mas isso acontece na clássica visão mais econômica da divisão esquerda/direita. E o grande embate ideológico hoje no país está mais voltado à questão de costumes. Os conceitos que hoje a direita mais usa – como “ideologia de gênero” – estão mais voltados a uma ideia de que há uma indústria cultural de esquerda no mundo que quer minar os valores tradicionais ligados à família. E, nesse sentido, até Hollywood para boa parte dessas pessoas seria hoje de esquerda.

O grande paradoxo dessa história toda é que a maior parte da população diretamente beneficiada pelos programas sociais implementados pelo PT é conservadora nos costumes. Boa parte tornou-se, como Damares, “terrivelmente evangélica”. E, mesmo que não professe a mesma crença, não pensa de modo muito diferente. É aí que se une a conformação capaz de fazer da ministra dos Direitos Humanos a ferramenta para tentar minar o dique de Lula.

Desde o ano passado, Damares tem priorizado na sua agenda visitas ao Norte e ao Nordeste. Mais do que isso, começou a implantar laboratórios para ações mais efetivas na região. O mais avançado deles está sendo implementado na Ilha de Marajó, no Pará. A grande ilha fluvial tem um dos piores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do país, ainda que possua a maior criação de búfalos do continente e tenha imenso potencial turístico. Há ali um sério problema que bate com as preocupações de Damares: uma incidência muito grande de casos de abuso sexual de crianças, especialmente dentro das famílias. Não é à toa a criação ali do mito do Boto, que tem muito a ver com isso.

O ministério de Damares está implementando ali um programa chamado Abrace o Marajó. Ela está liderando uma ação que envolve oito ministérios para levar investimentos e direitos sociais à ilha. Recursos do BNDES e da iniciativa privada – inclusive a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) – estão sendo movidos para construir um grande resort e levar turismo à região. O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas (Inep) doou um barco batizado de Navio dos Direitos, que viaja pelo rio dando orientações, fazendo documentos, cadastro para o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e contendo uma Casa da Mulher Brasileira fluvial.

A partir dos resultados obtidos na Ilha de Marajó, a ideia é fazer outros laboratórios semelhantes em cidades do Norte e Nordeste, como Fortaleza e Aracaju e municípios menores.

Damares está em contato com candidatos a prefeito que tenham identificação com seus projetos para ajudá-los nas eleições municipais e trazê-los para o projeto de reeleição de Jair Bolsonaro em 2022. Ainda que o presidente esteja hoje sem partido, pensa-se que esse pode ser um caminho para pavimentar a tentativa de segundo mandato.

Se a ministra for capaz de unir uma efetiva ação social a um discurso mais conservador que, na verdade, hoje parece mais próximo da forma de pensar de quem precisa dessa ação, avalia o governo que poderá trazer grandes danos ao dique de Lula no Norte e no Nordeste.

Política

O jornalismo e as torcidas


Nenhum Comentário

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil-EBC

Para muitos, a década de 1990 marcou o melhor momento do jornalismo político brasileiro. Dois episódios destacaram o trabalho de repórteres a partir de Brasília e mudaram os rumos do poder e da política do país. O primeiro foi o caso PC Farias, que levou ao impeachment do então presidente Fernando Collor. O segundo foi o escândalo dos anões do Orçamento, que obrigou o Congresso Nacional a sair de seu corporativismo cortando na própria carne, cassando e punindo deputados e senadores.

Os dois episódios caracterizam-se pelo total protagonismo da imprensa. Os fatos foram desvendados e detalhados pelos jornalistas. E foi a partir das informações impressas em jornais e revistas que vieram depois os desdobramentos em Comissões Parlamentares de Inquérito, em investigações na Polícia Federal e no Ministério Público e em eventuais ações na Justiça.

Uma mudança significativa ocorrida com o fortalecimento do Ministério Público e da Polícia Federal e com o enfraquecimento da imprensa a partir da atual crise do jornalismo é que esse protagonismo inverteu-se. Hoje, na maioria das vezes, os repórteres têm somente publicado o resultado das apurações e investigações que são feitas por procuradores e policiais que, a partir de uma relação de confiança, lhes vazam o conteúdo.

O caso da Vaza Jato, como se batizou a série de reportagens que vem sendo publicada pelo site The Intercept e outros veículos, trouxe mais uma novidade nesse relacionamento. Conteúdos obtidos a partir da ação de hackers nas redes de relacionamento que hoje todos nós temos na internet. É, evidentemente, uma novidade, não um ponto fora da curva. Basta lembrar, por exemplo, que os relatos da união de um jornalista veterano com uma jovem hacker são o mote de uma das mais celebradas séries de bestsellers do momento, a saga sueca Millenium.

Qualquer que seja, porém, o caminho, seja maior ou menor o protagonismo do trabalho do repórter, em todas as situações há sempre a discussão sobre os limites éticos e legais que envolvem o cada vez mais necessário exercício do jornalismo. E, não se engane: quanto mais questionado e criticado por autoridades, quanto mais ódio gerar entre as torcidas, mais necessário vai se tornar o jornalismo de qualidade. E, em linhas gerais, a primeira coisa a nortear esses limites será o interesse público. Se tais informações são de interesse público, elas devem ser publicadas.

No caso que envolve diretamente agora o site The Intercept e o jornalista GlennSe Greenwald, é justamente a manutenção da lamentável guerra de torcidas que outra vez vai empanando a compreensão do que é a função e o trabalho dos jornalistas. Na relação entre jornalistas e fontes e na discussão sobre quais seriam os limites da relação dos repórteres com as suas fontes para a obtenção das informações que consideram de interesse público, a discussão não deveria ser contaminada pela paixão das torcidas do nosso FlaXFlu político. Não é justo questionar determinadas relações e relativizar outras.

Uma das últimas reportagens publicadas pelo Intercept a partir do material da Vaza Jato trata justamente da relação entre jornalistas e os procuradores da força-tarefa da Lava Jato. A reportagem questiona essa relação, e afirma que jornalistas, no acerto com suas fontes, poderiam ter ultrapassado limites éticos. É fato que a Lava Jato procurou desde o início cercar-se de jornalistas numa estratégia de fazer com que suas investigações ganhassem mais notoriedade. Dez anos antes da investigação começar, o juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, já destacava a importância dessa parceria em um famoso artigo da sua autoria onde analisa as razões do sucesso da Operação Mãos Limpas na Itália.

Mas é justamente a possível ultrapassagem de limites na relação com as fontes que fez com que o procurador Wellington Oliveira considerasse poder apresentar denúncia contra Greenwald. Da mesma forma, foi a partir da obtenção de conversas do hacker Luiz Molição com Greenwald que ele chegou a essa conclusão. Nas conversas, Molição negocia a publicação das informações que obtivera e pergunta a Greenwald se ele deveria apagar as mensagens para não deixar rastros. O procurador entendeu que o jornalista dava orientações de procedimento aos hackers, o que caracterizaria o seu envolvimento.

A reação de autoridades e outros à denúncia contra Greenwald é mais do que correta. Acendeu-se um sinal mais do que amarelo de ameaça no caso à liberdade de imprensa. Porém, da mesma forma, nada parece indicar muito claramente que os jornalistas que tinham relação com os procuradores da Lava Jato da mesma forma tenham avançado além dos seus limites legais e éticos. Nos dois casos, as conversas parecem fazer parte do tipo de negociação comum que há entre jornalistas e fontes antes da publicação de matérias. Em um ou outro caso, para se concluir acerca de limites ultrapassados ou não, é preciso que as avaliações não se contaminem pelas paixões.

Em 1917,o senador americano Hiran Warren Johnson disse que, “numa guerra, a primeira vítima é a verdade”. Na atual guerra de torcidas que virou o debate político brasileiro, perderemos todos nós se a vítima se tornar a verdade.